• Home
  • /
  • Sobre o blog
  • /
  • Colunas
  • /
  • Parceiros
  • /
  • Anuncie
  • Resenhas Novas

    Sábado à noite - Babi Dewet


    “Todo mundo espera alguma coisa de um sábado à noite...”
    É com trecho da famosa melodia de Lulu Santos que inicio esta resenha. Ao receber este livro da querida Babi Dewet pensei imediatamente nas coisas que haviam acontecido comigo em um sábado à noite. Não posso deixar de perguntar aos leitores:

    Quantas coisas vocês começaram e terminaram em um sábado à noite?

    Romances, dramas, amores impossíveis, beijos gostosos e outros com bafos horrorosos. Tudo isso pode sugerir um sábado à noite. Foi pensando deste jeito que iniciei a leitura deste livro e me surpreendi, pois esperava encontrar um texto adolescente e encontrei uma imensidão de detalhes e sentimentos intensos a cada descrição da história.
    Ás vezes me perguntei se não estava lendo Jane Austen, pois Amanda é tão intensa e romântica que pode muito bem ser comparada a Miss Elizabeth Bennet!

    Amanda, Anna, Carol, Maya e Guiga fazem parte do grupinho mais popular da escola e são invejadas por todos os alunos. Os garotos fazem fila para observar as meninas entrando no colégio, mas só o grupinho dos “plaboys” tem de fato uma chance. Só que Amanda nem sempre foi patricinha e na sua infância compartilhou bons momentos com Bruno que faz parte do grupo dos meninos mais bagunceiros e excluídos. Devido a esse obstáculo “social” Amanda prefere se manter afastada de suas lembranças infantis, mas o seu amor pelo melhor amigo de Bruno é muito forte para ser evitado. Daniel é apaixonado por Amanda e não esconde isso de ninguém, nem mesmo da preterida que resiste a paixão por causa de Guiga que já teve uma quedinha pelo garoto. A base da história é um belo triangulo amoroso que como sempre se resume a um mal entendido, mas o casal apaixonado curte ótimos momentos de amor durante o livro, principalmente no Sábado à noite.
    Os garotos bagunceiros, Bruno, Caio, Daniel e Rafael resolvem tocar nas festas semanais do colégio com o pseudônimo de Scotty e com mascaras que lhes escondiam a face para burlar a decisão do diretor que proibiu a banda dos rapazes. As meninas do grupo de Amanda implicam, esnobam e zombam dos banguceiros o tempo todo, mas mal sabem elas que Scotty a tão famosa e misteriosa banda é nada mais nada menos do que os próprios rapazes!

    Sinceramente eu li o livro direto e gostei do enredo, mas algumas coisas me desagradaram e me deixaram um pouco irritada. A letra pequena incomodou meus olhos e os diálogos entre Daniel e Amanda são lindos, mas não consegui enxergar um garoto se declarando para uma garota, pois muitas vezes ele a chamava de fofa e tinha atitudes que não são masculinas. Isso inclusive pude reparar nos outros garotos também, pois encontrei trechos em que Bruno afirma ficar 2 horas no telefone com Daniel todo final de semana e tem dias em que os amigos se reúnem para comer bolo e torta. Sendo que Daniel se esforça para cozinhar bem... ??? É tão estranho para mim que nem consigo reproduzir.
    O fato de Bruno morar sozinho e todos os garotos praticamente dirigirem com 16 e 17 anos me chamou a atenção, mas eu relevei, pois considerei o universo de criação da autora. Só que o comportamento dos meninos me pareceu muito inverossímil para uma história de amor com base na realidade.
    Outra coisa também que me deixou um pouco perdida foi os fatos no meio do livro para o final. Acho que apareceram outros personagens do nada e acontecimentos foram pouco explorados. Não me leve a mal, pois gostei muito da história por isso fiquei em estado de choque com tanta informação. Gostaria que o livro fosse divido em mais outros dois.

    Em minha opinião de escritora, Babi Dewet escreve muito bem, tem segurança e profundidade nos sentimentos, entretanto faltou um bom editor e copydesck para auxiliá-la no desenvolvimento do texto.







    15 Comentários :

    1. Sou #doida para ler esse livro!

      Gostei muito da sua resenha e da sua sinceridade.
      Não é raro a falta e experiência pesar na publicação do primeiro livro, e tenho certeza de que o próximo será ainda melhor do que esse, pois como vc falou segurança e profundidade são muito importantes para um autor escrever bem...

      bjussssssssssss

      ResponderExcluir
    2. Acho a capa desse livro muito fofa. Tenho curiosidade em ler a história, mas no momento estou evitando despesas.

      Adorei a resenha. Você foi muito sincera Babi. Acredito que a autora só tenha a melhorar e que seus próximos livros serão melhores.

      Beijos

      ResponderExcluir
    3. A capa é linda mesmo e os marcadores o cartãozinho do livro é mtuu fofo!
      Ah e que escreveu a resenha foi a Carol Estrella haha é que eu sou lerdinha com blogs e ainda não aprendi a formatar com minha assinatura rs
      bjos

      ResponderExcluir
    4. Isso, a Carol é lerdinha e eu vou colocar a assinatura dela no fim do post! ahuahuahuah

      Ainda n li o livro, então não posso concordar/discordar! Mas estou com a Sabrina, a primeira publicação é mesmo complicada!

      beijocas

      ResponderExcluir
    5. Estou louca por esse livro desde a bienal de SP =S
      Babi Dewet parece ter um jeitinho bom de escrever (já li uns trechos do livro)
      Gostei da sua sinceridade ^^ é sempre bom "ver" uma resenha sincera.
      Como ainda não li, não sei julgar, vou ler e pensar depois sobre os "detalhes".
      Beijos

      ResponderExcluir
    6. Carol,

      adorei sua resenha.
      Uma resenha com pontos negativos, mas assegurando o talento da autora.
      Esse tá na lista.

      Bjos,

      ResponderExcluir
    7. Amiga Babi,
      Estamos que nem gato e sapato! rs Eu te ligo, vc me liga hahaah
      Ficou linda a formatação!! Eu preciso de talento com blogs ahuahh
      bjos

      ResponderExcluir
    8. Oi, Carol.

      Acredita que tenho esse livro aqui e ainda não tive a oportunidade de le-lo?!

      A capa e os marcadores são lindos!

      E concordo plenamente com a Sabrina, porque o primeiro livro é sempre o primeiro livro e, com o tempo, a gente vai adquirindo experiência para os próximos que virão.

      Adorei a sua sinceridade, mas, como ainda não li, não tenho como dar a minha opinião. Preciso ler para poder julgá-lo. :)

      Beijos.

      ResponderExcluir
    9. ei Gabi, eu gostei do livro e quero muito uma continuação. =)

      beijos.

      ResponderExcluir
    10. Bem... Esses sentimentos em homens é bem estranho 'mesmo' até eu fiquei imaginando um boy falando por duas horas co mo amigo kkkkkkkkkk' tá, mas sem preconceitos. Gostei da resenha, mas fiquei preocupada com a comparação a Jane Austen... Tenho que ler para vê se comprovo esse fato.
      Beijos Carol e Gabi
      Heloisa Pacheco
      Up Read
      http://upread.blogspot.com/

      ResponderExcluir
    11. Helô hahaha
      Jane Austen é um detalhe pq estou lendo Orgulho e preconceito e estou mtu ligada com a leitura então comparei, mas acredito na profundidade de sentimentos do Sabado à noite! :)

      ResponderExcluir
    12. A questão da verossimilhança interna é algo realmente tênue numa história; mas, é interessante, inclusive, a parte da verossimilhança externa: um sábado à noite, garotos e garotas, no seu hábitat natural. De fato, tudo pode rolar num sábado à noite.

      A resenha elucubrou traços demasiados imponentes no livro. Gostei muito; ela, de fato, deixa os leitores com vontade de interpretar e desvendar o "Sábado À Noite".

      Parabéns, Carol.

      Um beijinho.

      ResponderExcluir
    13. Carol, indiquei um meme que fiz, para você responder. http://migre.me/3RMn1Beijo! (:

      ResponderExcluir
    14. Esse é um livro que eu quero muito ler... me apaixonei pela capa... e é o primeiro livro da autora =) Estou achando o romances e leituras muito cuti cuti *resenha muito legal - adorei saber mais do livro*

      ResponderExcluir
    15. Jhey,
      hahahah Eu adorei o seu termo "cuti cuti" merece entrar na próxima resenha de chick lits!
      bjs

      ResponderExcluir