• Home
  • /
  • Sobre o blog
  • /
  • Colunas
  • /
  • Parceiros
  • /
  • Contato
  • Resenhas Novas

    Entrevista Exclusiva com Paula Pimenta


    Linda, charmosa, simpática e muito talentosa. Quer mais? Só lendo para saber as aventuras e sonhos da grande escritora juvenil Paula Pimenta.

     Quando você era criança, qual foi o seu maior sonho?

    Acredita que eu consegui realizar todos os meus sonhos infantis? Eu queria conhecer o RPM e a Xuxa. Consegui. Eu também tinha o sonho de ser repórter e cantora. Por um tempo fui repórter, logo que me formei, e também cantei durante muitos anos em barzinhos. Eu queria publicar um livro... e não é que eu consegui publicar quatro até agora? Eu acho que a gente tem o poder de realizar todos os nossos sonhos, basta ter fé e correr atrás.

    Como você se sente ao escrever a última linha de seu livro?

    As emoções são meio contraditórias... Ao mesmo tempo em que fico muito feliz pela sensação de “dever cumprido” e por saber que em pouco tempo muita gente lerá a minha história, também fico muito triste, pois durante o período em que escrevo, os personagens se tornam minha companhia constante, e então quando termino o livro é como se eu tivesse que deixá-los ir embora... Eu chorei quando terminei de escrever “Fazendo meu filme 1” e tenho certeza de que isso vai acontecer também em “Fazendo meu filme 4”. Aliás, acho que vou demorar uma semana pra me recuperar, eu ainda não estou preparada pra me despedir da Fani...

    O romantismo é uma característica marcante em seus livros. Você se considera romântica?

    Eu sou muito romântica. Eu chego a idealizar o amor e isso não é muito bom, pois geralmente eu já imagino mil vezes tudo o que pode acontecer em alguma situação e aí quando a coisa realmente acontece, eu fico achando que não foi do jeito que devia ser, que aquilo não passou de uma espécie de “rascunho mal escrito”... Hahaha! Coitado do meu namorado que tem que ficar inventando maneiras de me surpreender!

    Por que escrever para o público juvenil?

    Não foi uma decisão que tomei, aconteceu por acaso. Eu comecei a escrever “Fazendo meu filme 1” com base em situações que eu vivi na minha adolescência, mas não pensei especificamente em um público alvo. Só que descobri que a fase da adolescência, independente da época, é meio parecida pra todo mundo, pois eu recebo recados de adolescentes de várias idades e também de seus pais e professores, que me escrevem para dizer que sentiram a maior nostalgia ao ler meus livros. Eu fico muito feliz com isso!
    Porém, agora eu sei que é muito bom escrever para os jovens, pois eles são muito sinceros e vibrantes. Cada e-mail que recebo tem uns 500 pontos de exclamação, eu sinto a intensidade dos leitores através das palavras! Espero escrever muitos livros para esse público ainda!

    Muitos jovens recusam uma boa leitura em troca de diversão na internet e na televisão. O fato de você ter conquistado um bom público com o seu livro é relativamente novo em relação a falta de leitura da população brasileira. Qual a sua opinião a respeito da falta de motivação pelos livros?

    Em primeiro lugar, acho que hoje em dia o “entretenimento” é uma oferta constante. Com a internet, as pessoas não precisam mais sair de casa para se divertir, as redes sociais se tornaram verdadeiros “pontos de encontro”, então isso faz com que cada vez mais as pessoas tenham menos tempo para a individualidade, para curtir a companhia de si próprio. O ato da leitura é solitário, é um momento íntimo em que a pessoa se desliga do próprio mundo e entra em outro universo. Como eu disse acima, esses momentos de interiorização estão cada vez mais raros na vida, porque o tempo todo estamos conectados de alguma forma com outras pessoas.
    Mas por outro lado, eu acho que com a febre de livros para adolescentes, o gosto deles pela leitura vem sendo incentivado e eles estão redescobrindo o prazer que a leitura pode proporcionar. Geralmente, as pessoas gostam de se identificar com o tema do livro, e a partir de uma oferta maior para essa faixa etária, essa identificação se torna cada vez mais possível.

    Ao mesmo tempo em que uns desprezam os livros outros se tornam fãs de carteirinha como se os autores fossem cantores e artistas famosos. Como você se sente com o carinho dos fãs?

    Eu acho que até hoje me surpreendo. Eu fiquei desesperada com a primeira leitora que chorou quando me viu, fiquei sem saber o que fazer ou dizer! Mas depois dela, vieram várias outras e hoje em dia eu já até faço graça, digo que as lágrimas vão fazer com que elas não fiquem tão bonitas na foto, abraço, faço cosquinha... A emoção de encontrar quem a gente gosta e se identifica sempre é muito grande.
    Eu me sensibilizo também com os leitores que escrevem cartinhas, que levam presentes nas sessões de autógrafos, que mandam e-mails, scraps ou tweets elogiando... Eu fico sempre muito emocionada. Na verdade, cada demonstração de carinho é comovente, seja como for. 

    Qual foi a situação mais constrangedora que você já passou com os fãs?

    Nenhuma situação foi “muito” constrangedora... Mas como eu sou muito tímida, eu sempre tenho vontade de cavar um buraco no chão quando chego às sessões de autógrafos e vejo tanta gente me esperando! E quando visito escolas, às vezes me pedem para tocar e cantar a música que o Leo fez pra Fani, que tem em “Fazendo meu filme 3”. Os alunos já deixam um violão pronto pra isso! Eu morro de vergonha, mas acabo tocando! Mas no fim das contas sempre é muito legal!

    Como é o dia a dia de Paula Pimenta?

    Eu ando com a vida bem corrida. Sou formada em Publicidade, mas já há algum tempo larguei a profissão para me dedicar à música e à escrita. Dei aula de violão e canto por muitos anos, mas depois que “Fazendo meu filme” foi lançado, meu tempo diminuiu ainda mais, pois tenho que viajar bastante para divulgar os livros, passo muito tempo respondendo e-mails, scraps, tweets, entrevistas... Eu gosto muito do contato com os leitores e faço questão de dar o máximo de atenção possível para eles. E também tem a época em que, além de tudo isso, eu tenho que me dedicar a escrever os novos livros, como agora. Eu costumo dizer que parece que eu convivo constantemente com a sensação de “ter dever de casa pra fazer”. Eu nunca fico completamente à toa. Mesmo quando viajo, minha mente não descansa, fico sempre vendo coisas e conhecendo lugares que possam me trazer ideias para novos livros e personagens.

    Pra finalizar gostaria de saber: quais são os planos para o futuro de Paula Pimenta?

    Eu estou escrevendo o primeiro livro da minha nova série, que vai ser lançado na Bienal do RJ. Para o ano que vem, vou lançar o 2º da nova série e talvez um livro de crônicas. Eu também já tenho ideias para dois novos romances e, quem sabe, quando eu tiver um tempinho, quero gravar um CD só com as minhas composições. Não sei quando isso tudo vai ser possível, pois realmente o tempo está cada vez mais curto... Mas estou dando um passo de cada vez, cada coisa tem seu momento. Agora estou começando a me preparar para dizer adeus para a Fani... “Fazendo meu filme 4”, que é o último da série, vai ser lançado no final do ano. Eu só espero que vocês gostem tanto quanto eu do final que eu vou dar para a história dela...


     Espero que vocês tenham gostada da entrevista e de saber um pouco mais sobre a vida de Paula Pimenta :)


    7 Comentários :

    1. Se eu gostei?? Nãooo... eu não gostei... eu AMEIII!!!
      E a cada coisa que eu leio sobre a Paula vou descobrindo que somos muito parecidas em vários aspectos...
      Entrevista diferente e inédita!! hahaha
      Parabéns Carol! Daqui a Pouco estará no blog de FMF! hahaha

      ResponderExcluir
    2. Adorei!
      Nossa, é tão legal ver um autor que a gente considera tão distante da nossa realidade abrir seu coração assim de forma tão simples.
      Ainda não conheço os livros da Paula, mas os tenho em minha lista de desejados e logo os terei com certeza!
      Parabéns Carol pela entrevista e Paula, sou fã de autores nacionais, e apesar de não ter lido ainda seus livros esse é um sonho que ainda vou realizar.
      Beijos meninas!

      ResponderExcluir
    3. Palavras simples e próximas, sabe? É como se ela estivesse pertinho da gente. Essa autora parece muito sensível, muito do jeito que eu gosto. Não gosto de ler só o livro, também quero gostar do autor e acho que já gosto da Paula antes de conhecer seus livros! rsrs... Vão todos para minha lista de futuras compras! Espero comprá-los ainda esse ano, se Deus quiser! :)

      Bjs, Carol! Parabéns pela entrevista! Amei!

      ResponderExcluir
    4. A Paula Pimenta é muito fofa. Passa toda a sensibilidade em palavras.
      Um autora que realmente consegue tocar nossas almas, eu simplesmente devorei os três livros em uma semana, depois fiquei até arrependida,
      ( To aqui só na abstinência).

      Ansiosa pra chegar agosto( pra me viciar na nova série dela) , e mais ainda pelo final do ano ( Ainda não acredito que FMF vai acabar). O que mim conforma é saber que a Paula vai criar mais milhões de personagens, que assim como a Fani vão nos emocionar. ( Quase desidratei lendo estes livros.)

      A Paula merece tudo de bom na vida, muito sucesso e inspiração pra continuar nós encantando.

      Parabéns pela entrevista! Bjim.

      ResponderExcluir
    5. Gente, que entrevista fofa! toda vez que leio uma entrevista com a Paula Pimenta, sinto como se fosse uma pessoa tão próxima de mim, não sei porque, mas me simpatizo demais com ela! Muito sucesso em sua carreira, e que a cada dia, voce conquiste mais leitores, assim como me conquistou! Parabéns pela entrevista Carol!

      ResponderExcluir
    6. Ainda não tive o prazer de ler um livro da Paula, mas tenho muita curiosidade.
      Adorei a entrevista, beijos.

      ResponderExcluir
    7. Eu vou morrer de chorar, pq vou ter que dizer Adeus pra Fani!

      ResponderExcluir