• Home
  • /
  • Sobre o blog
  • /
  • Colunas
  • /
  • Parceiros
  • /
  • Contato
  • Resenhas Novas

    Clássicos- O meu pé de laranja lima- José Mauro de Vasconcelos


    Era uma vez um mundo de faz de contas muito real que invadiu a minha vida e me fez chorar várias vezes. Quem diria que um clássico nacional iria se tornar o meu livro de cabeceira. Se me dissessem isso há alguns anos eu poderia jurar que era mentira, mas o mundo da voltas e hoje considero este livro leitura obrigatória para todas as pessoas do planeta!

    Sinopse:
    Retrata a história de um menino de seis anos chamado Zezé, que pertencia a uma família muito pobre e muito numerosa. Zezé tinha muitos irmãos, a sua mãe trabalhava numa fábrica, o pai estava desempregado, e como tal passavam por muitas dificuldades, pelo que eram as irmãs mais velhas que tomavam conta dos mais novos; por sua vez, Zezé tomava conta do seu irmãozinho mais novo, Luís.
    Zezé era um rapazinho muito interessado pela vida, adorava saber e aprender coisas novas, novas palavras, palavras difíceis... que o seu tio lhe ensinava. Contudo, passava a vida a fazer traquinices pela rua, a pregar partidas aos outros e muitas vezes acabava por ser castigado e repreendido pelos pais ou pelos irmãos, que passavam a vida a dizer que era um mau menino, sempre a fazer maldades. Todos estes fatores e o fato de não passar muito tempo com a mãe, visto que esta trabalhava muito, faziam com que Zezé, muitas vezes, não encontrasse na família o carinho e a ternura que qualquer criança precisa.


    A trama é narrada por Zézé um garotinho de 5 anos que vive aprontando na vizinhança em que mora, por isso é conhecido por todos como o travesso, o banguceiro, o diabinho.Só que mesmo sendo arteiro, o menino é sensível e muitas vezes se questiona sobre o seu comportamento e sobre as palmadas que ganha. Às vezes ele faz esperando a surra, só para chamar a atenção, porque sente falta de carinho.

    Ao longo do livro ele vai descobrindo do significado de ternura e amor quando se aproxima do seu Portuga e assim nasce uma amizade plena( Só de lembrar o nó na minha garganta já se forma e a vontade de chorar volta, para mim está é a parte mais bonita do livro) .

    O garoto sonha com tudo ao seu redor e faz da pobreza um lindo conto de fadas, mesmo sabendo a realidade faz questão de mostrar para seu irmão mais novo que um galinheiro pode ser um grande zoológico e um pé de laranja lima tem o poder de conversar. Com perguntas e mais perguntas, Zézé enfeita o livro com sua inocência e nos presenteia com a sua capacidade de ser feliz mesmo nas dificuldades e de se sentir injustiçado quando apanha tanto.

    Quantas e quantas vezes, eu  vi professoras criticarem seus alunos como sendo bagunceiros e indisciplinados. Pasmem, já ouvi uma professora chamar o aluno de cínico e reclamar comigo por eu estar dando confiança ( leia-se carinho) demais. Pois é , Zéze passa pela mesma situação e muitas vezes se sente como sendo um nada e tem vontade até de se matar.

    Gente! Se as crianças são arteiras, banguceiras e indisciplinados é por falta de limites e carinho. Te mães que mimam seus filhos de mais e dão carinho errado, mas isso são outros quinhentos. Eu só não aceito judiarem de uma criança, como aconteceu no livro, só porque ele fez bagunça.Aliás, eu também sou contra baterem em criança, mas...

    Com uma linguagem simples e singela, O meu pé de laranja lima, conquistou meu coração e tenho certeza que deixará todos os leitores do blog apaixonados pela vida deste garotinho. Se você quer dar uma revigorada nos seus pensamentos leia este livro com lencinhos de papel e se prepare para está aventura.

    O livro virou novela, filme  e foi traduzido para muitas línguas. Vejam a abertura da novela que gracinha!!








    9 Comentários :

    1. Realmente esse é um clássico, para ser lido por todas as idades.
      Um livro tocante, que li quando criança e lembro das lições que aprendi.
      Hoje sou mãe e tento demonstrar o meu afeto de maneira correta, sem mimar demais, amando com limites e responsabilidade!

      Você conheceu a Letícia, Carol, e acho que estou fazendo um bom serviço não é?!

      Recomendo o livro sempre, apesar de não ser um livro que enche os olhos, com certeza vai encher o coração!

      Linda resenha Carol!

      ResponderExcluir
    2. ahuahuauaua ótimo trabalho Lena. Só deixa ela tirar férias aki no Rio de Janeiro agora! rs

      ResponderExcluir
    3. A minha mãe não é muito de ler, mas ela sempre fala desse livro que ela leu quando era criança, faz tempo que quero ler ele, e depois da sua resenha vou apressar isso.
      Beijos

      ResponderExcluir
    4. Que fofa sua resenha Carol. Infelizmente ainda não li e se li não me lembro (minha memoria é pessima d+), enfim.

      Gostei da sua resenha, parece ser um livro lindo. E concordo, acho que bater não resolve nada. Eu mesma apanhava que nem uma louca qdo era pequena e continuava peraltando assim que parava de sentir dor. kkkk

      Acho que tem outras maneiras de disciplinar sem usar violencia. Que tal cortar tv, computador e afins? rsrs

      parabéns pela resenha carol, super beijo

      ResponderExcluir
    5. hahahha Fabi, o ZéZé faz a mesma coisa. Apanha toda hora, mas qdo passa apronta novamente! rsrs

      ResponderExcluir
    6. Nunca li o livro, mas já ouvi dizerem que a história é linda!
      Pela sua resenha, parece ser muito emocionante mesmo e acho que é daquelas que cria uma certa revolta, por causa da injustiça com o Zezé.
      Beijos!

      ResponderExcluir
    7. Eu liiii! Eu chorei tb lendo esse livro, aliás, me lembro mesmo que quando criança eu assistia essa novelinha e adorava! E gostava tb da amizade que cresceu entre o Zezé e o português(que não lembro o nome)! Gente, voltei ao passado agora! Esse livro é maravilhoso, e parabéns pela resenha, retratou exatamente td que ele sofria por ser um garoto traquina! Bjo!

      ResponderExcluir
    8. eu amo esse livro. minha edição ta bemmm velhinha era da minha mãe

      ResponderExcluir
    9. Ai, tenho medo de ler e chorar pois estou muito sensível! É mesmo uma boa leitura? Obrigada pela dica!!!

      ResponderExcluir