• Home
  • /
  • Sobre o blog
  • /
  • Colunas
  • /
  • Parceiros
  • /
  • Contato
  • Resenhas Novas

    A Jornada - Erin E. Moulton



    Maple é uma menina de nove anos, esperta e encantadora. A segunda de quatro irmãs. Dawn, a Rittle mais velha, tem apenas dois anos a mais e se acha crescidinha e adulta. Beetle ainda é um bebê e vive aprontando suas travessuras, rindo e incomodando Xereta, o fiel cachorro da família. A quarta menina ainda está dentro da barriga da senhora Rittle, esperando para vir ao mundo.

    "A história começa lá em casa. Na montanha. Cinco quilômetros morro acima, em uma rua poeirenta e esburacada, passando pelo pomar do Sr. Benny, logo depois da banca de legumes da Nanny Ann. Estamos no outono, minha estação favorita. E em poucos dias será meu feriado favorito: Halloween. É isso aí; aqui em Canton Creek Turnpike, é tempo de pegar doces e esculpir abóboras."
    Página 11

    As três irmãs estão na varanda acompanhadas pelo pai, iluminando a abóbora com cara esquisita que Dawn havia acabado de esculpir (a de Maple ficaria muito mais bonita, uma verdadeira obra de arte, como as que ficavam expostas no estacionamento do mercadinho local, A Casa das Abelhas). É aí que nossa história começa de verdade. Um barulho seguido de um gemido, que cada vez fica mais alto. A senhora Rittle estava pronta para ter o bebê, mas ainda não era a hora. 

    Muita correria, ligações e ambulância. A pequena Lily Anne nasceu antes do tempo e muito abaixo de seu peso, muito fraquinha. Ela estava morrendo e apenas um milagre poderia salvá-la. 

    Maple não conseguia se conformar em ver sua pequena irmã sofrendo daquele jeito e inspirada na canção que sua mãe lhe ensinara, nas histórias de sua avó e no livro Lendas da Montanha, ela parte com Dawn em uma incrível jornada, cheia de perigos, surpresas, encontros inesperados e muito, muito amor. 

    "Um conto de amor familiar, com toque de mágica."
    - Publishers Weekly

    Não tenho como começar a expressar minha opinião de outra maneira: A Jornada é lindo. Uma linda e leve demonstração de amor fraternal. Claro que trata-se de uma história totalmente fictícia, até porque duas meninas, de 11 e 9 anos, não passariam por todos os percalços de uma aventura como essa sozinhas. 

    Fiquei encantada com a sensibilidade da autora em criar um mundo tão maravilhoso, uma família tão maravilhosa e conseguir passar tanto amor para as páginas de seu livro. 

    A leitura é extremamente sutil e rápida. Uma delícia! Super recomendo!