• Home
  • /
  • Sobre o blog
  • /
  • Colunas
  • /
  • Parceiros
  • /
  • Anuncie
  • Resenhas Novas

    Amor Fora de Hora - Katarina Mazetti


    Desirée passava, pelo menos uma hora por dia, sentada no cemitério observando a lápide de seu marido Örjan. Aquela pequena pedra escolhida por ele, fria e sóbria lhe causava arrepios, assim como a solidão que tomara conta de sua vida após o acidente que culminou na morte do companheiro. Agora, não havia ninguém à sua espera em casa, tampouco alguém para se importar com sua volta ou não. Desirée era uma jovem e melancólica mulher, viúva e sem filhos. 

    Curiosamente, suas visitas ao cemitério não eram tão solitárias como deveriam ser. Todos os dias, um homem com uma jaqueta colorida e um gorro horroroso escrito Nós, lenhadores!, visitava o túmulo ao lado, limpava as plantas que cresciam sobre ele, plantava algumas flores... Como se aquele pedaço de terra fosse seu jardim particular. 

    Benny era um fazendeiro praticamente falido que lutava para levantar a propriedade e livrar-se das dívidas que se acumularam após a morte de sua mãe. Assim como Desirée, ele era uma pessoa extremamente solitária, que gostava de ir ao cemitério para pensar nos problemas e encontrar possíveis caminhos. 

    Um incomodava o outro. Benny não se conformava que aquela mulher bege e sem graça estivesse ali, sentada no banco verde desbotado todos os dias, atrapalhando seu momento de intimidade. Desirée não aceitava a presença daquele homem sujo de terra, usando um gorro detestável e com apenas três dedos em uma das mãos. O que poderia ter acontecido com ele?!? 

    Apesar da birra inicial, eles passam tempo demais pensando um no outro quando não estão próximos e, um dia, sorriso compartilhado mudaria a vida dos dois. A aproximação era inevitável. O casal, no entanto, era totalmente o oposto. Ela, extremamente organizada e culta, com sua casa impecável e lençóis branquíssimos. Ele, caótico. Cheirando a estábulo e vivendo em meio à bagunça que se tornara sua cozinha, repleta de fungos e quadrinhos em ponto de cruz. 

    Será que o sentimento entre os dois seria capaz de superar todas essas diferenças? 
    A primeira vez que me deparei com Amor fora de hora (Lua de Papel, 174 páginas), fiquei louca. Primeiro pela capa lindíssima, segundo pela sinopse e terceiro pelo título. Enfim, o livro tinha tudo para ser uma leitura agradável e doce, daquelas que caem como uma luva em uma tarde descontraída. Uma leitura leve, que não exige do leitor nada além de boas risadas e suspiros. E ele cumpriu esse papel, até a metade. 

    Os capítulos alternando a narrativa de Desirée e Benny funcionaram com maestria no início, porém, com o avançar da leitura, confesso que achei um pouco maçante vivenciar a mesma cena duas vezes. Outro ponto que me incomodou foram as brigas. Ninguém, absolutamente ninguém, consegue levar um relacionamento, por mais estranho que ele seja, em meio a tantas discussões. 

    Todo o encanto do livro se quebrou. Os personagens principais são duas pessoas extremamente egoístas, que não enxergam nada além de seus próprios desejos e limitações. Benny consegue, na maior parte do tempo, ser uma verdadeira 'porta' e Desirée é tão preconceituosa e cheia de si que tive vontade de esganar. 

    Algumas questões não foram esclarecidas e terminei com pontos de interrogação pairando sobre minha cabeça. Confesso que até voltei algumas partes para ver se porventura tinha deixado escapar algum detalhe. Não deixei. Acredito que fizeram falta umas 50 páginas a mais. O final ficaria mais elaborado e melhor explicado, porque vamos combinar... tsc tsc tsc!

    Infelizmente, não recomendo o livro!