• Home
  • /
  • Sobre o blog
  • /
  • Colunas
  • /
  • Parceiros
  • /
  • Anuncie
  • Resenhas Novas

    Whitney, meu Amor - Judith McNaught


    "Os modos de Whitney são ultrajantes, sua conduta deixa muito a desejar. Ela é estouvada e voluntariosa, para desespero de todos que a conhecem e para meu profundo constrangimento. Imploro-lhes que a levem a Paris e espero que tenham o sucesso que não tive, na tentativa de educar tão teimosa criatura."
    Página 9






    Toda a vizinhança falava sobre os modos da jovem senhorita Stone que, após a morte da mãe, foi criada pelo severo pai. Whitney sempre foi uma menina de temperamento forte e muito travessa, o que deixava seu pai - e a todos - extremamente irritado. A moça tinha o espírito livre, indomado e fazia de tudo para chamar a atenção de Paul Sevarin, por quem era apaixonada desde que se entendera por gente. O rapaz, no entanto, parecia ter sua atenção totalmente voltada para a delicada Elizabeth. 

    Muitos escândalos depois, Whitney é enviada a França para viver com seus tios e tornar-se uma dama. Ela embarca para Paris com a promessa de que, um dia, voltaria para casa e casaria com Paul. 

    Depois de alguns anos em Paris, a menina rebelde e de cabelos alvoraçados torna-se uma bela mulher, cobiçada por muitos solteiros. Seu coração e pensamento, entretanto, continuam no amor de infância que deixou na Inglaterra: Paul Sevarin e no plano de tornar-se sua esposa. O que Whitney não contava era despertar a atenção do homem mais influente e sedutor da Inglaterra: Clayton Westmoreland, duque de Claymore. 

    O poderoso duque está decidido a casar-se com Whitney a qualquer preço, nem pre para isso precise fazer uso de métodos pouco convencionais para alcançar seu objetivo.


    "- Onde é a sua casa? - perguntou após um longo silêncio.

    - Minha casa é onde você está."


    Há muito tempo eu queria ler algo da Judith. De tanto falarem o quanto os livros da autora são maravilhosos e que a narrativa é impecável, criei uma expectativa enorme quanto ao que encontraria nessa leitura. Talvez por isso tenha demorado tanto a finalmente me aventurar e pegar um livro da autora para ler. Acho que comecei com o pé direito. 

    Judith faz juz ao que dizem, é DIVA. Acho que nunca me identifiquei tanto com uma mocinha - sim, eu também gostava de me pendurar em árvores e fingir que era um macaco - e nunca senti tantas emoções contraditórias lendo um livro. Odiei e amei Clayton tantas vezes que nem sei qual sentimento predominou. 

    O casal funcionou bem. Nunca vi uma química tão forte entre dois personagens. Clay e Whitney foram, sem dúvida, feitos um para o outro. A única coisa que me entristeceu foi saber que autora modificou cenas originais do livro. Sou do pensamento que uma vez finalizado, a essência do livro não pode ser alterada. Como não li a primeira versão, não posso dizer se isso influenciou ou não no desenrolar na história, prefiro acreditar em algumas resenhas que li e que afirmam que essas modificações não foram tão gritantes. 

    Recomendo a leitura e com certeza virei fã de Judith Mcnaught.