• Home
  • /
  • Sobre o blog
  • /
  • Colunas
  • /
  • Parceiros
  • /
  • Contato
  • Resenhas Novas

    Sábado à Noite - Babi Dewet

    O que esperar de um sábado à noite? Uma saída com os amigos? Um encontro com o namorado (a), um baile da escola com um grupo de mascarados misteriosos que cantam músicas diretamente ao coração de cinco meninas populares, mas que escondem uma sensibilidade e - por que não - um lado nerd?

    Amanda, Guiga, Anna, Carol e Maya são as meninas mais populares da escola e, para manter esse posto tão disputado, precisam seguir certar regrinhas. Ignorar os marotos é uma delas, afinal, eles só sabem causar encrenca e fazer bagunça. Nenhuma menina "de respeito" deveria sair com eles, ainda mais quando se têm todos os garotos mais gatos do colégio babando. 

    De todas as meninas, Amanda sempre foi a mais desencanada quanto a esse pequeno problema. Ela cresceu com Bruno, um dos marotos, e acompanhou a amizade dos meninos se formar ao longo dos anos. Quando criança, Amanda jogava video game com eles, futebol na rua e assistia os filmes mais nerds do mundo. Isso foi rotina até a chegada de Daniel ao colégio e o despertar de uma fagulha entre eles. Carol também segue os passos da amiga e até já se envolveu com Bruno por um tempo, mas o namoro não foi pra frente e o clima pesa cada vez que os dois se encontram. 

    Esse mundinho em que vivem as meninas, entretanto, se abala quando a professora de artes sugere um trabalho diferente: juntar duplas, misturando alunos entre as duas turmas, para a criação de músicas. Claro que a sorte não conspira nada a favor e as populares se juntem com ninguém menos que os marotos. 

    Há tempos eu queria ler Sábado à Noite e quando soube que a Babi Dewet estava lançando uma nova edição, não perdi tempo e corri para comprar o meu (autografado e com direito a foto com um dos marotos, babem!). Minha primeira impressão foi "UAU, como ela escreve bem" - fato que se confirmou no decorrer da leitura. Babi conseguiu criar um mundo adolescente maravilhoso, que me transportou direto para os meus 16 anos e todos aqueles dramas de popularidade. 

    A amizade entre Amanda e Bruno mexeu tanto comigo que, em diversos momentos, fiquei com os olhos cheios d'água. Quando terminei o livro, a primeira coisa que fiz foi pegar o telefone e ligar para o Bruno da minha vida, amigo de muitos anos, confidente, meu salvador e herói. Talvez por isso a história tenha me tocado tanto. Em muitos momentos fui capaz de me identificar com os personagens e com os dramas vividos por eles. 

    Não li a primeira versão, então, não posso dizer se a autora melhorou os pontos que muitos julgaram necessário. Um fato que discordo, dentre todos os que escutei, é que Babi Dewet pode ter criado uma quantidade enorme de personagens - e sim, o livro tem muitos personagens - mas soube dar conta de cada um deles, de maneira invejável. 
    Enfim, sou suspeita para falar porque quando uma leitura me prende, como Sábado à Noite, fico cega e só consigo me prender à beleza da história e aproveitar.