• Home
  • /
  • Sobre o blog
  • /
  • Colunas
  • /
  • Parceiros
  • /
  • Contato
  • Resenhas Novas

    Whitney, meu Amor - Judith McNaught


    "Os modos de Whitney são ultrajantes, sua conduta deixa muito a desejar. Ela é estouvada e voluntariosa, para desespero de todos que a conhecem e para meu profundo constrangimento. Imploro-lhes que a levem a Paris e espero que tenham o sucesso que não tive, na tentativa de educar tão teimosa criatura."
    Página 9






    Toda a vizinhança falava sobre os modos da jovem senhorita Stone que, após a morte da mãe, foi criada pelo severo pai. Whitney sempre foi uma menina de temperamento forte e muito travessa, o que deixava seu pai - e a todos - extremamente irritado. A moça tinha o espírito livre, indomado e fazia de tudo para chamar a atenção de Paul Sevarin, por quem era apaixonada desde que se entendera por gente. O rapaz, no entanto, parecia ter sua atenção totalmente voltada para a delicada Elizabeth. 

    Muitos escândalos depois, Whitney é enviada a França para viver com seus tios e tornar-se uma dama. Ela embarca para Paris com a promessa de que, um dia, voltaria para casa e casaria com Paul. 

    Depois de alguns anos em Paris, a menina rebelde e de cabelos alvoraçados torna-se uma bela mulher, cobiçada por muitos solteiros. Seu coração e pensamento, entretanto, continuam no amor de infância que deixou na Inglaterra: Paul Sevarin e no plano de tornar-se sua esposa. O que Whitney não contava era despertar a atenção do homem mais influente e sedutor da Inglaterra: Clayton Westmoreland, duque de Claymore. 

    O poderoso duque está decidido a casar-se com Whitney a qualquer preço, nem pre para isso precise fazer uso de métodos pouco convencionais para alcançar seu objetivo.


    "- Onde é a sua casa? - perguntou após um longo silêncio.

    - Minha casa é onde você está."


    Há muito tempo eu queria ler algo da Judith. De tanto falarem o quanto os livros da autora são maravilhosos e que a narrativa é impecável, criei uma expectativa enorme quanto ao que encontraria nessa leitura. Talvez por isso tenha demorado tanto a finalmente me aventurar e pegar um livro da autora para ler. Acho que comecei com o pé direito. 

    Judith faz juz ao que dizem, é DIVA. Acho que nunca me identifiquei tanto com uma mocinha - sim, eu também gostava de me pendurar em árvores e fingir que era um macaco - e nunca senti tantas emoções contraditórias lendo um livro. Odiei e amei Clayton tantas vezes que nem sei qual sentimento predominou. 

    O casal funcionou bem. Nunca vi uma química tão forte entre dois personagens. Clay e Whitney foram, sem dúvida, feitos um para o outro. A única coisa que me entristeceu foi saber que autora modificou cenas originais do livro. Sou do pensamento que uma vez finalizado, a essência do livro não pode ser alterada. Como não li a primeira versão, não posso dizer se isso influenciou ou não no desenrolar na história, prefiro acreditar em algumas resenhas que li e que afirmam que essas modificações não foram tão gritantes. 

    Recomendo a leitura e com certeza virei fã de Judith Mcnaught. 



    Resultado | Amor nos tempos de blog

    Oi pessoal, 
    saiu mais um resultado de promoção aqui no Romances e Leituras. O prêmio é o livro Amor nos  tempos de blog, vamos conferir que ganhou?


    Parabéns! 
    A vencedora tem até 03 dias para enviar um email com seus dados para romanceseleituras_promo@yahoo.com.br.
    Lembrando que o envio do prêmio é de responsabilidade da editora.

    Beijos,
    Babi =*

    Resultado | Do seu Lado

    Como prometido, saiu o resultado da promoção "Do seu Lado". Pedimos desculpas pela semana enrolada, mas finalmente conseguimos sentar para fazer o sorteio. 

    E quem ganhou foi:


    Parabéns! 
    Você tem 3 dias para mandar um email para romanceseleituras_promo@yahoo.com.br com seus dados para envio do prêmio.
    Lembrando que o prazo de postagem é de 20 dias. 

    Beijos e amanhã tem mais!




    Movie Day: Uma Linda Mulher




    Pretty woman, walkin' down the street
    Pretty woman, the kind I like to meet
    Pretty woman, I don't believe you, you're not the truth
    No one could look as good as you, mercy

    Vivian Ward (Julia Robert) é uma mulher deslumbrante, que saiu da sua cidade natal com a esperança de mudar de vida na cidade grande. Quando nela chegou viu como algumas coisas não são fáceis e acabou se tornando uma prostituta para sobreviver.  Em uma das tantas noites na avenida, tentando arrumar algum cliente bom, Vivian conhece por acaso o milionário Edward Lewis (Richard Gere) que só pensa em negócios e não convive com ninguém, além do seu advogado. 


    Edward vê na moça a oportunidade de tirar vantagem em alguns negócios, a apresentando como companheira, por isso a contrata por uma semana. Durante esse período a transforma em uma linda mulher para acompanha-lo em todos os compromissos e eventos sociais. O que ambos não planejavam era se envolver sentimentalmente, passando de uma grande e divertida amizade para um amor de contos de fadas. Juntos, eles vão enfrentar tudo que vem pela frente para viver esse lindo amor. 

    "Uma linda mulher" é uma comédia romântica lançado em 1990 e é um dos meus filmes preferidos. Nem me lembro quando foi a primeira vez que assisti, mas sempre lembro como minha mãe fala bem desse filme e como causou grande impacto na época. Também pudera né? Ele foi indicado ao Oscar e ganhou diversos prêmios importantes. 

    O filme é um conto de fadas moderno, sensual sem ser erótico, romântico sem fugir da realidade. A sua trilha sonora é espetacular, para dizer o minimo. Alguém aí já chorou escutando Roxette? Pois bem, na trilha sonora de "Uma linda mulher" tem uma música incrível dessa banda que, infelizmente, não faz muito sucesso atualmente. Além de Red Hot Chilli Peppers, Natalie Cole, Rob Orbison... e muitos outros.


    Sinceramente, queridos leitores, "Uma Linda Mulher" é o sonho de qualquer homem e de qualquer mulher. Toda mulher já sonhou em ser tirada da fossa por um (quase) Richard Gere, com aqueles cabelos meio grisalhos lindos. E todo homem torce (constantemente) para encontrar uma linda mulher, com atitude e beleza de Julia Roberts. 


    É um filme perfeito para esse sábado, acompanhado de um chocolate e debaixo das cobertas. Quem está namorando, curte com o namorado (a). Quem está solteira, curte sozinha e sonha que o príncipe também poderá chegar na sua vida, afinal todo mundo merece ter algum dia de princesa né?

    O Leitor de Almas - Paul Harper



    Título original
    PACIFIC HEIGHTS
    Tradução: Renata Guerra
    Capa: Alessandra Kalko
    Páginas:232
    Formato:16.00 x 23.00 cm
     Preço: 24,90
    Instigante, misterioso e bem elaborado. Só com essas três palavras, consigo resumir as características do livro. Desde que li o primeiro capítulo, fiquei intrigada com a forma como o autor escreve e também curiosa com o que ia acontecer depois da suposta amante ter descoberto a "identidade" do seu parceiro.
    Sinopse*:
    Na aparentemente tranquila comunidade de Pacific Heights, Lore Cha e Elise Currin - esposas de dois poderosos e influentes empresários de San Francisco - estão tendo casos extraconjugais com o mesmo homem, o atraente ?. As regras dos encontros são sempre as mesmas: nomes verdadeiros e detalhes pessoais ficam fora do quarto.Mas, quando a psicanalista de Lore e Elise percebe que ? está invadindo seus arquivos e usando informações confidenciais, medos e fantasias das mulheres para manipulá-las, ela se dá conta de que o caso não é apenas uma grande coincidência, mas envolve um perigo fatal. A tarefa de capturar ? antes que seja tarde demais cabe a Marten Fane, um detetive conhecido pelo raciocínio perspicaz e pela absoluta discrição. Fane e sua equipe terão de agir rápido para frustrar os jogos psicológicos de ? e evitar que ele cometa o crime perfeito.A cada página virada, O leitor de almas tira uma dose de fôlego do leitor. Prepare-se para ser jogado de cabeça num mundo de viravoltas, decepções e falsas revelações.
    *Tirei o nome do assassino da sinopse, se não estraga a festa! rs 
    Sou apaixonada por livros de suspense desde que comecei a ler e durante muito tempo foi o meu gênero preferido. Aliás, passei minha adolescência lendo sobre assassinatos misteriosos e crimes, portanto, gosto muito quando os livros começam com a visão do assassino na história. É muito interessante saber o que se passa na mente de um criminoso e observar os motivos que o leva a praticar crimes violentos. Sejam eles advindos da piscopatia ou de uma simples desavença.

    O assassino da história não é um serial Killer, mas tem traços de psicopata. Não sou psicóloga, portanto não posso classificá-lo como doente. Entretanto, diante das atitudes mórbidas e sedutoras que tomou no livro com as mulheres, eu o classificaria como um assassino cruel e manipulador.

     Difícil falar sobre ele sem dar muita pista. O livro é bem redondinho e fechado. Se eu falar demais do assassino estrago a leitura de vocês! Nem o nome eu posso dizer, porque ele usa nomes falsos no livro. 
    O livro é escrito em 3ª pessoa, mas em cada capítulo podemos ver a história  se desenrolar atráves das atitudes dos personagens com foco no assassino e no detetive. Existem leituras que só descobrimos o assassino no final e muitas vezes ficamos sem entender o raciocínio do autor. Em O leitor de almas a teia da trama se desenrola de uma maneira bem cativante e inteligente. Só que não é um livro com muito suspense, é um livro mais dramático e com muitos conceitos de psicologia.

    O que achei mais interessante foi ver o “vilão” interpretar os pensamentos das mulheres  e usar isso como uma arma letal. Não posso contar mais, porém achei essa manipulação muito bem feita e bem criada. O trabalho de pesquisa do autor sobre a mente humana foi bem vasto. Muitas vezes cheguei a pensar que estava conversando com um psicólogo.

    Os personagens são interessantes, mas devo destacar Elise e Lore, que para mim foram as melhores. Não entendi muito bem vários de seus sentimentos e atitudes, mas isso se deve ao fato de que nunca fui perseguida por um cara maluco e por não viver na sociedade milionária delas. O detetive é inteligente, mas não é um personagem cativante.

    Gostei muito da história, mas senti falta de um pouco mais se suspense. O livro é mais uma questão psicológica misturada com a espionagem do que aquele suspense irritante, no qual você fica nervoso e angustiado tentando resolver as coisas e no final parece que seu mundo acabou, pois nada daquilo que você imaginou aconteceu.

    Recomendo a leitura! Quero ler outros livros do autor, pelo que vi ele escreveu este livro com o pseudônimo de Paul Happer, mas seu nome verdadeiro é David Lindsey.

    Ah, já ia me esquecendo, este livro foi publicado pelo novo selo da editora Companhia das letras : Paralela. Por enquanto, esse foi o primeiro livro do selo que li e gostei bastante. Espero que continuem na mesma linha de qualidade.


    Beijos,





     

    Estamos de Ressaca!

    Oi pessoal, 
    esse é um post de esclarecimentos. Vocês devem ter percebido que nas duas últimas semanas o ritmo de postagens aqui no ReL diminuiu um pouco. Os motivos são os mais diversificados possíveis, afinal, somos três. 

    Eu estou em uma tremenda ressaca literária e fiquei duas semaninhas sem conseguir ler nem jornal da TV, acreditam? Logo eu que tenho leitura dinâmica... Por sorte, acho que estou me curando e fechei o livro da resenha de ontem (que por sinal é uma delícia, leiam e comentem ok?).

    Laís também está de ressaca - acreditem - além de estar em um período de estudar loucamente para as provas que se aproximam, pobrezinha. Vamos dar um desconto. Caroles vive às voltas com seus compromissos de escritora DIVA teen e acabou de chegar de viagem... 
    Sentiram o drama, né?!

    Pedimos desculpas pela ausência e prometemos normalizar nossas postagens frenéticas o mais rápido possível. 

    Não abandonem o ReL e nem sintam-se abandonados. Semana que vem tem surpresaaa!

    Beijocas, Babi =*

    O Verão que Mudou Minha Vida - Jenny Han


    Todo ano, Belly, sua mãe e Steven viajam para passar o verão na casa de praia de Suzanne. As duas mulheres são amigas desde a infância e criaram seus filhos juntos, como uma grande família. Como em toda família, os irmão sempre brigam, disputam, implicam uns com os outros e aqui não seria diferente. 

    Por ser a única menina, Belly - desde pequena - sempre foi vítima das brincadeiras de Steven, Jeremiah e Conrad. Nesse verão, entretanto, parece que algumas coisas estão diferentes. Pela primeira vez, Steven não passa todo o verão reunido com o grupo, Jeremiah parece diferente, Conrad está cada vez mais distante e Belly não é mais aquela menininha sem graça. Ela cresceu. 

    O verão que mudou minha vida foi uma leitura que me surpreendeu. Confesso que estou em uma ressaca literária terrível e, não sei porque, não consigo ler como antigamente. Quando peguei o livro de Jenny Han para ler, imaginei tratar-se de mais uma história boba e clichê sobre romance adolescente, e é, em parte. Contudo, a maneira como a autora desenvolve a narrativa tem um "quê de especial". 

    Uma coisa que sempre aprecio e procuro nas histórias é encontrar a veia de amadurecimento dos personagens. A  disposição dos capítulos - mesclados entre o atual e o passado - tornou isso nitidamente possível. Por mais que eu não seja muito favorável a esse tipo de narrativa, em O verão que mudou minha vida esse artificio funcionou perfeitamente, sem tornar o livro cansativo e repetitivo. 

    Enfim, não preciso dizer o quanto recomendo essa leitura, preciso? Fui conquistada logo de cara e fiquei apaixonada pela sutileza desse livro. Impossível não mergulhar naquele sentimento de nostalgia que me faz lembrar da minha adolescência na praia e os amores de muitos carnavais. 


    Lançamento " O primeiro dia", Marc Levy e NOVIDADES!

    Olá,

    Hoje estou cheia de novidades boas!


    Primeiro, temos o lançamento do novo livro de Marc Levy para Setembro. Eu nunca li nada do autor, mas gostei tanto da capa do livro que resolvi dar uma chance. Achei a sinopse interessante e o romance bem inspirador. Vou torcer para que Marc Levy não mate os personagens principais como Nicholas Sparks. (Nem adianta defender, Nicholas é um assassino de personagens fofos! rs)


    Sinopse:
    Um objeto misterioso encontrado em um vulcão adormecido mudará para sempre a vida de Adrian e Keira. Juntos eles embarcarão em uma aventura extraordinária que os levará das margens do lago Turkana, no coração da África, até as montanhas da China, em busca da resposta à uma antiga questão da humanidade: como começou a vida na Terra?


     Segundo temos os joguinhos da Novo Conceito que são muito divertidos e engraçados.


    Eles criaram um jogo sobre o livro Dizem por aí e outro sobre o livro Conselhos de amigas.


    O primeiro jogo é para descobrir o nome do seu futuro namorado e o segundo é para descobrir como é o perfil de sua melhor amiga!


    Não deixem de conferir >>


    Dizem por aí

    Conselho de amiga



    E por último e mais importante temos a promoção da Galera Record mais do que perfeita!
     Eles vão dar um jantar mais um passeio de limousine com Cecily Von Ziegesar, autora de Gossip Girl, em São Paulo, para as quatro pessoas que criarem um blog sobre Gossip Girl com destaque para o último livro que será lançado em breve: Gossip Girl Psycho Killer.



    Ai, gente fiquei nas nuvens com essa promoção, mas sou fã da série de televisão e não li os livros, exatamente para não estragar meu amor pela série. Enfim, se o passeio fosse com o Ed Westiwick eu me matava para fazer esse blog! Mas, a Cecily também merece! Corram a promoção começou hoje! Link para a promoção




    Beijinhos,

    Querido diário Otário ( Eu! Igualzinha a você, só que melhor) - Jim Benton




    Este livro é o meu maior inimigo e também o meu melhor amigo. Toda vez que vou a livraria da Saraiva aqui perto de casa a livreira me fala deste livro e diz que eu tinha que escrever um livro neste estilo porque ele sai muito. Isso é pouco perto da quantidade de comentários que recebi de parentes que leram meu livro e disseram que eu tenho o estilo de escrita do “Diário Otário”. Depois de relutar tanto, resolvi ler.  Encantei-me. O livro é genial!
    Sinopse:
    É isso. Eu faço qualquer coisa, elas copiam. Precisa de mais alguma prova? Eu não tenho certeza se quero ser a Pessoa Mais Copiada do Mundo! Querido Diário Otário, a mamãe me falou sobre um cantor de quem ela gostava quando era mais nova e disse que talvez eu também fosse gostar dele. Como se um cantor que ela achasse bonito não fosse dar um nó nas minhas tripas. Aí, de repente, tive uma revelação. Minhas tripas cheias de nós deixaram tudo muito claro! Não sei como é que eu não soube disto antes: eu sou melhor do que todo mundo. Saber que a minha mãe gosta de um cantor torna impossível que eu goste das músicas dele, mais ou menos da mesma forma que a Isabella, a Angelina e a Emmily estão fazendo, só que ao contrário: elas querem ser iguais a mim e por isso estão me copiando. Eu sou igualzinha a elas, só que melhor. Elas sabem disso. E estão me imitando! Dê uma espiadinha no diário da Jamie Kelly. A Jamie sempre jura que tudo o que ela escreve é verdade... Bom, pelo menos ela acha que é!
       O livro é para pré- adolescentes, por isso é todo ilustrado, com papel brilhoso e fonte grande. Só que isso é só um detalhe perto do conteúdo. O leitor já é surpreendido pelo título que é muito engraçado e sem noção ao mesmo tempo. Sério, a personagem é tão convencida que se torna hilária e fica ainda mais divertida quando a imaginamos na vida real.

    O que eu achei mais inusitado no livro foi a ironia e o sacarmos que fazem parte de toda narrativa. Realmente, sempre tive vontade de reclamar de certas situações dos meus pais que me faziam pagar mico quando tinha 12 anos ( mico, que hoje não considero mais como sendo mico), mas ficava receosa e achava que isso era um assunto tabu em livros. Só que Jim Benton  inovou fazendo criticas construtivas e  as vezes até bem pesadas. Ele critica o tempo todo as atitudes de professores e pais de uma forma sutil e íntima. Acho que o fato do livro ser narrado em formato de diário suavizou a narrativa, porque sinceramente, não sei como algumas escolas adotam esse livro.

    O livro é tão real, que entramos na cabeça da personagem e não queremos sair mais. Fora que o nome Jamie Kelly é um caso a parte. O nome é tão diferente (para mim) que toda vez que lia ela se vangloriando ria demais. Principalmente, no início quando ela monta uma página no diário especialmente para quem quer copiá-la. É uma página de recorte, tem 1 coração e uma mensagem.  Quase recortei o coração para costurar na minha camisa... ahahaha

    A história em si é boba, mas o que enriquece são as ilustrações, a escrita cômica e o drama da personagem. Para mim a frase que me deixou de boca aberta e sem reação foi 
    A cartolina vagabunda da professora

    A frase é inocente, mas cheia de significado. Sério, invejo a coragem desse autor  e aplaudo em pé o seu sucesso, porque escrever sobre o cotidiano dos jovens  já não é fácil, agora escrever Otário ( Na minha época, se eu falasse otário levava um tapa na boca) no título e ainda conquistar tantos leitores é  coisa de gênio.

    Beijinhos,



    A Mediadora #4, A Hora mais sombria - Meg Cabot



    A Mediadora #4 - A hora mais sombria, Meg Cabot.
    Galera Record, 272 páginas, 2005.



    "Porque o negócio é que, mesmo estando morto há 150 anos, Jesse é realmente um tremendo gato - muito mais até do que Paul Slater... ou talvez eu só pense nisso porque estou apaixonada. 
    Mas de que adianta? Quero dizer, ele ser tão bonito e coisa e tal? O cara é um fantasma. Sou a única que consegue vê-lo. Não posso apresentá-lo à minha mãe, nem levá-lo à festa de formatura, nem casar com ele, nem nada. Não temos futuro juntos.
    Preciso me lembrar disso.

    O verão chegou na Califórnia e Suze só queria passar suas férias tomando sol na praia e olhando os surfistas sarados, tentando esquecer do fantasma que ocupa seu quarto e seu coração. Porém, seu padrasto a "obrigada" trabalhar no Peblee Beach Hotel, o hotel mais sofisticado da cidade. 

    Então, Suze se torna babá e é surpreendida ao descobrir que o garoto do qual toma conta é um mediador. Jack, de apenas oito anos, é um menino doce, que vivia trancafiado e com medo por não saber lidar com o seu dom. 

    Pensando que ia lidar somente com o novo mediador durante o verão, Suze achou que passaria um tempo longe de encrencas e de fantasmas. Porém, acorda no meio da noite com a ex-noiva de Jesse a surpreendendo com uma faça no pescoço. A ex-noiva da Jesse MORTA! Agora precisará lidar com a noiva e o passado do seu amado. 

    Ler Meg Cabot é no minimo revigorador. Você pode estar com todos os problemas do mundo, mas na hora que você senta e mergulha no(s) mundo(s) que a diva Cabot cria tudo se renova, tudo fica mais alegre; até esquecemos dos problemas e começamos a soltar gargalhadas com as aventuras que a Meg consegue colocar suas personagens. Bem, resolvi continuar a ler a série "A Mediadora" esse fim de semana, e não me arrependi. Ao sair do quarto - no final da leitura - eu já era outra pessoa. 

    Adorei o fato do enredo do livro ser centrado no Jesse. Descobri coisas do passado dele me fez ter muita vontade de ler o próximo livro. Ainda não descobrimos o mistério do por quê Jesse não ter "seguindo em frente", mas o livro deixa algumas pistas e perguntas que serão respondidas no próximo volume. 

    Recomendo como uma leitura leve e divertida, cheia de romance, mistério e aventura pra dar um toque ao seu dia de inverno.

    - Só estou... olha -  falei enquanto ele dava um passo na minha direção - Só vou ligar para Cee Cee e talvez a gente vá à praia ou algo assim. Porque realmente... preciso de uma folga. 
    Outro passo na minha direção. Agora ele estava bem na minha frente.
    - Principalmente de conversas - falei de modo significativo, olhando para ele. É disso que eu preciso especialmente de uma folga. De conversas.
    - Ótimo - respondeu Jesse. Em seguida estendeu as mãos e segurou meu rosto. - Não precisamos conversar.
    E foi então que ele me beijou.
    Na boca.


    Série "A Mediadora": 
    1. A Terra das Sombras
    2. O Arcano Nove
    3. Reunião
    4. A hora mais sombria 
    5. Assombrado 
    6. Crepúsculo

    10 motivos para assistir Gossip Girl - Parte 2

    Olá leitores,


    Estamos de volta com mais Gossip Girl! O post da semana passada foi um sucesso, por isso preparamos a parte  2 com mais carinho para vocês pararem tudo que estiverem fazendo e assistir Gossip Girl. Vale a pena :)


    Gossip Girl explora os sentimentos dos personagens e expõem todos os segredos da galera. Então, você sente na pele a infelicidade da Blair e o desespero da Serena em tentar dar a volta por cima. A própria Gossip Girl mostra a realidade da vida no Upper East Side, então para quem pensa que a série é fútil, precisa assistir o primeiro capítulo e ver como os personagens sofrem nas mãos de pessoas que os admiram na escola.

    video


    Uma das coisas que mais gosto da série é que não existe bom nem mau. No começo todos pensam que Chuck é o vilão da série e que Dan é o moçinho, mas da terceira temporada,  as coisas mudam e os papeis se invertem em alguns momentos. Isso nos deixa ainda mais apaixonados pela série e sem nenhuma possibilidade de enjoar dos personagens, já que sofrem mutação ( rs) à medida que crescem!


    video


    Sério! A melhor cena da série é o desejo de consumo de muitas mulheres. Minhas leitoras mirins que me perdoem, mas a cena da primeira vez de Blair na limosine do Chuck é inesquecível. Não existe uma fã do casal que não comente essa cena e não tenha vontade de estar na pele da Blair. Ah, se eu tivesse uma limosine daquelas....

    video


    Segundo a leitora do blog Clarisse Cunha, Dan é um queridinho por amar livros como nós. Você vai gostar dele queira ou não, porque ele é fofo, carismático, inteligente, bondoso e gentil.  Apesar de se revoltar com a galera do Upper East Side e ter atitudes de vilão.

    Para terminar! O casal mais perfeito da série deixou os fãs desesperados com tantas brigas e voltas ardentes. Chuck e Blair ganharam o título de casal principal depois que fizeram amor na limusine e desbancaram Serena e Dan, outro casal que também é muito fofo, mas não deu muito certo. Os produtores da série, adoram brincar com os corações dos fãs. Eles montaram todos os tipos de casais possível nas 5 temporadas. Praticamente todos os personagens já tiveram um caso, tirando Blair que até a 4ª temporada manteve seu amor fiel pelo Chuck, até um produtor mal humorado estragar tudo. Enfim! Sou Chair para sempre...

    A frase mais emocionante da série para mim foi dita por Chuck Bass em uma cena triste da quarta temporada, mas muito bonita.


    Só porque não podemos ficar juntos não significa que eu não posso amar você.

    Xoxo,

    Quinze dias, sete anos e alguns minutos - Claudia Camara





    Lá vamos nós! Esta talvez seja uma das resenhas mais difíceis que eu já escrevi, não porque o livro é ruim, muito pelo contrário o enredo é muito interessante, mas a forma como foi escrito é bem esquisito.

    O livro conta a história de dois meninos, um brasileiro e um africano intercambista, que vão passar as férias na Fazenda da Caieira no interior de Minas Gerais. Esta fazenda guarda muito história da época da escravidão e dizem por aí que lá foi enterrada a cabeça de Tiradentes. Bruno e Jeremy estão entediados e aborrecidos por terem que ficar 15 dias numa casa fria, sem energia elétrica e com pessoas esquisitas, mas algo muda à medida que eles vão conhecendo as histórias que a casa lhes conta.

    O narrador é onipresente então o leitor pode ter uma visão bem interessante da história e saber bem o que se passa na cabeça de dois garotos adolescentes. Só que esse “saber bem” em minha opinião passou da conta e ficou vulgar. Eu sei que garotos com 16 anos pensam muito em sexo, mas eu não preciso ler coisas como esta:

    “Quando rolava uma mãozinha boba nos peitinhos já era material de sobra que garantia uma semana de diversão” pp. 24

    Esse foi o primeiro susto que levei no livro. A história vinha em um ritmo interessante, quando eu li esse pensamento de Bruno e arregalei os olhos. Não sou careta, mas estamos falando de livro. Livro para mim é um objeto sagrado. Ouvimos vulgaridades e palavrões o tempo todo. Será que temos que ler isso também e fazer nossos filhos lerem? Este é um livro classificado como infanto-juvenil. Então, para mim a autora pecou muito ao querer colocar palavrões e vulgaridades no livro, como pensamentos e ações dos meninos. Alguns garotos são deste jeito, só pensam em sexo, mas tem outros que não são assim. Enfim, me incomodou muito e estragou um pouco a história que é inteligente e aborda assunto históricos de uma forma peculiar.

    Um ponto que gostei do livro foi a interação da autora com o leitor através da notinha de rodapé. Achei isso muito legal e gostei de vê-la explicando o motivo de inventar algumas palavras e dando uma bronca nos leitores que não se lembravam do significado da palavra Osmose.

    Só teve uma notinha que me segurei para não rir com a perplexidade. Por favor, me perdoem o palavrão, mas não resisti. Vocês precisam refletir sobre isso.

    "Esperma: No popular, porra mesmo" pp. 90

    Aiiiiiiii! Para quê? Sem necessidade. Sério!

    A capa é feita só de palavras e com uma foto pequena da fazenda. Não gostei muito não!
    O livro em si é muito interessante e tem umas partes com metáforas muito bem feitas. Gostei do livro, só que o exagero de palavrão e vulgaridade me irritaram. Uma pena!

    Beijinhos,



    Resultado Promoção Garota apaixonada em férias







    Oláaa,

    Finalmente saiu o resultado da promoção! Obaaaaaaaaaa!

    Eu não conheço a vencedora, mas fiquei muito feliz ao ver que ela tentou muito e conseguiu! Parabéns, Karen Senoo!

    Você tem três dias para mandar seus dados para o email: ca.estrella@hotmail.com .

    Espero que goste muito do meu livrinho e dos mimos extras que vou mandar. Tenho certeza que vai amar os bottons, os marcadores e o calendário! Ah, claro, espero que curta muitooooo as novas aventuras de Gabi e suas amigas :)





    Beijinhos,



    Eu amo e ponto final.


    Não sei se isso acontece com vocês, mas eu sempre tive uma relação de amor e ódio com os personagens dos livros. Não é atoa que em cada história elejo aquele que mais me agradou e aquele que mais odeio, porque sim, eu odeio certas pessoas.

    O menininho corajoso e aventureiro assume o posto de meu irmão mais novo, a mocinha apaixonada e chorona sou eu – levanta a mão – e o mocinho, uff, esse me faz suspirar. Sim, eu me apaixono todos os dias, por homens de papel.

    Já tive muitos casos com esses caras, alguns meia boca outros inesquecíveis. Já fugi na garupa de um peão de fazenda, já me apaixonei por um delegado casca grossa, já fui mordida sensualmente por um vampirão gostoso e seus dentes afiados... E não para por aí hein. Se fosse contar minhas aventuras amorosas ficaria aqui toda a noite e não conseguiria listar todos os homens maravilhosos com quem tive um affair.

    Sabe aquele bad boy que anda de moto e pertence a uma gangue? Já peguei. E o dono do pub mais famoso da Irlanda? Correu atrás de mim e esnobei. Sou a rainha dos homens de papel. Já idealizei rostos e corpos, vivi noites tórridas de amor nos mais diversos lugares. Ahh, mas já peguei na mão e andei no shopping, já fui ao cinema com o namoradinho da escola ou sofri horrores porque aquele gatinho gostava da minha melhor amiga.

    Enfim, sou uma mulher-menina-leitora apaixonada. Mergulho fundo na história a ponto de criar cenas e situações quando vou dormir. A ponto de chorar por dias com uma frase de amor, com uma tragédia.

    Amo e ponto. E acredito que como eu, existam muitas por aí. Somos loucas? Não. Especiais. O homem que está/estiver ao nosso lado não corre o risco de cair na rotina, mas precisa saber dividir. Precisa saber que sempre terá mais alguém na cama e em nossos pensamentos. Sempre terá uma atenção incompleta.

    Amo e ponto. Sou feliz assim. 

    O beijo das sombras - Richelle Mead

    Antes de ler a resenha é necessário saber:
    - Moroi: Sociedade de vampiros, não possuem a imortalidade. 
    Dampiros: meio vampiro, meio humano. São destinados a cuidar da segurança dos Moroi.
    Strigoi: Poderosos vampiros que se corromperam e precisam do sangue Moroi para manter sua imortalidade. 





    "O sedutor romance de estreia de Richelle Mead une intrincados elementos de fantasia a um cenário contemporâneo, repleto dos temas típicos da juventudade e de um rico elenco de personagens." 



    Vi muitas resenhas negativas sobre este livro. E quando comprei fiquei com os dois pés atrás; já tinha lido outros livros e me decepcionado bastante. Detesto ir com toda força para cima de um livro e ele (plaf!) me decepcionar. 

    Quando "O Beijo das Sombras" chegou não resisti e comecei a ler no mesmo dia. Precisava realmente descobrir o que ele tinha de tão ruim para que um monte de gente falasse mal dele. E juro, ele não tem N-A-D-A de ruim. É um dos melhores livros sobrenaturais que já li, tanto que já o favoritei. 

    O começo pode até ser entediante, porque somos apresentados ao mundo completamente novo. É necessário alguns conceitos para não ficar perdido, mas não demora muito pra isso mudar. Logo depois das primeiras 50 páginas já estamos mergulhados no mundo mágico (e diferente) que a Richelle criou.

    O livro é narrado em primeira pessoa pela Rose Hathaway, que no início é meio patética, mas que ao longo do livro se mostra uma grande amiga, de coração enorme e que só deseja proteger a Lissa Dragomir, sua melhor amiga desde o jardim de infância, dos Strigoi. E depois do acidente que matou toda a família de Lissa, a ligação entre as duas ficou muito mais forte devido ao desenvolvimento de um laço especial e desconhecido entre elas.

    As duas amigas estudam na São Vladimir, uma escola especial para Dampiros e Moroi. Rose, por ser uma dampira, estuda para se tornar a guardiã de Lissa, que é a princesa de uma família real muito importante entre os Moroi. Para proteger a princesa e amiga, Rose não mede esforços e faz de tudo para mantê-la segura. É por isso que elas fogem da escola. Depois de 2 anos fugindo elas são resgatadas e levadas de volta para São Vladimir. A volta das duas não é nada fácil, pois estranhos acontecimentos começam a cercar Liss.

    "O Beijo das Sombras" é o primeiro livro da série "Academia de Vampiros" composta por 6 livros ao total. Amei a forma como a Richelle escreve: é simples e dotada de muito humor, tinha horas que eu me via rindo sozinha com as loucuras de Rose. É completamente diferente desses clichês que a gente vê por aí, porque Rose é determinada, é forte, é amiga sem deixar de ser adolescente também. 
    "Eu estava me apaixonando pelo meu instrutor. Estava me apaixonando pelo meu instrutor mais velho. Tinha idade para ser meu... bom, está certo, meu... nada. Mas, mesmo assim, era mais velho do que. Sete anos é muito. Ele já estava aprendendo a escrever quando eu nasci. Quando eu estava aprendendo a ler e a jogar os livros nos meus professores, ele provavelmente já estava beijando meninas. Muitas meninas, provavelmente, se levarmos em conta o quanto ele era bonito. Eu não precisava mesmo de uma complicação dessas naquela altura da minha vida."
    Este é um livro original e delicioso de se ler. Tenho certeza que quando você pegar não querer largar. E, além de tudo isso, possui um mistério unico e encantador, com um final tão surpreendente que nem os detetives mais sagazes poderiam deduzir. Depois que terminei o livro eu fiquei pensando: "Como eu não pensei nisso?"  

    Richelle dá uma nova face à literatura vampiresca com este romance: mais ácida, apimentada e inteligente do que nunca, a saga dos Moroi e seus guardiões surpreende pelas reviravoltas e pela ousadia desses cativantes personagens. 

    Conselhos amorosos de Emily Brontë - Anne Donavan




    O livro é bem esquisito.  Preciso admitir, que fiquei confusa, perdida e sem saber o rumo da história até ler a última página. Normalmente, adoro um suspense no romance, mas a história do livro além de ser trágica é muito fria e realista. Fiquei um tempo tentando digerir os acontecimentos, porque o livro mexeu com minhas emoções de leitora de uma forma diferente dos outros livros que gosto. É difícil explicar, pois lidar com histórias tristes é difícil para mim.

    Sinopse: Não existe tédio da família O’Connell. Fiona, entre seu irmão quieto e suas irmãs gêmeas maldosas, não consegue ver graça em sua vida. Mas sua rotina está prestes a mudar para sempre. Em apenas um dia sua família passará por situações devastadoras, trazendo mudanças, novos relacionamentos e verdades. Sempre com a mente em sua ídola, Emily Brontë, Fiona agora precisa tomar decisões que mudarão a sua vida.

    Pensei em desistir da leitura, mas adorei ter em minhas mãos um livro que fala bastante da escritora clássica Emily Brontë e como eu sei que a vida dela não foi fácil, imaginei que a Anne Donavan estava fazendo uma espécie de paralelo trágico. Isso me encantou e me fez ler até o final com muito interesse.

    Como o título fala de conselhos amorosos, imaginei uma história leve, simples e romântica, mesmo sabendo do ponto chave Emily Brontë. Então, em minha opinião, o título quebrou um pouco a história e o colocou em um estereótipo de livro estilo Chick lit, o que não é verdade. O livro é um romance dramático e realista.

    A história é narrada por Fiona uma jovem que passou por muitos problemas e precisa encarar a vida para sobreviver. Gostei da personagem, mas ela é muito fechada e reservada, então senti raiva das suas atitudes. Quem vê de fora pensa que ela é fria, mas o leitor sabe que ela sofre e guarda seus sentimentos para expô-los na arte e isso me deixou com muita agonia.

    Outro personagem que me encantou, aliás, o elegi como o meu preferido, foi o Jaswinder, o namorado da Fiona. O garoto é um homem de outro planeta. Ele é inteligente, sensível para as artes, apaixonado por química e Farmácia, educado e romântico. Apesar de tudo que sofreu nas mãos da Fiona soube perdoar e não entrar para o time dos personagens melosos e bonzinhos demais. Gostei muito da forma como a autora criou Jas e como desenvolveu sua história.

    O livro é bom, tem uma narrativa simples, mas profunda e um estilo cultural diferente. Acredito que boa parte da frieza que senti no livro veio do aspecto cultural da Europa, no caso Escócia. Vocês sabem que os brasileiros são calientes e super emotivos, então ver a vida de uma personagem europeia para mim foi estranho e maravilhoso.

    A capa é singela e bonita, as páginas com papel pólen sempre muito úteis, porque o livro não pesa na bolsa. Não encontrei erros no texto. Impecável!

    Beijinhos,





    A Última Carta de Amor - Jojo Moyes

    "[...] Mas, sendo muito honesta, a resposta é não. EU não penso nela e não me sinto culpada. Porque acho que isso não teria acontecido se eles estivessem felizes ou fossem... sabe... ligados."

    Jennifer Stirling acaba de retornar à sua antiga vida, após uma temporada no hospital recuperando-se de um grave acidente de carro que a deixou parcialmente sem memória. Por mais que ela tenha flashs de sua vida conjugal com Laurence, de seu seleto grupo de amigos e da senhora Cordoza, Jenny não consegue identificar o que falta em sua vida, o que falta para sentir-se completa.

    Seu marido Laurence é um figurão da alta sociedade e está sempre viajando a negócios para diferentes lugares no mundo, deixando-a em casa fazendo o que nasceu para fazer: receber, organizar os melhores jantares e dar ordens aos empregados. Um vida triste e solitária, é o que Jenny começa a acreditar ser a sua. Aos poucos, ela tenta recuperar a memória e enquanto organiza novamente suas coisas encontra um bolo de cartas assinadas por um homem: B. Tudo a leva a crer que tinha um amor fora do casamento. 

    Quatro décadas depois, Ellie Hawort vasculha os arquivos antigos do jornal Nation e encontra uma dessas cartas. Fascinada com a história que se apresenta diante de seus olhos, Ellie resolve ir mais fundo e procura saber o que aconteceu a esses protagonistas e talvez escrever a matéria mais importante de sua carreira como jornalista. 

    "A única forma de eu poder suportar isso é estar em um lugar em que não a veja nunca, em que eu não seja assombrado pela possibilidade de vê-la com ele. Preciso estar em um lugar onde a pura necessidade impeça que você ocupe cada minuto, cada hora dos meus pensamentos. Aqui isso é impossível." Homem para Mulher, por carta. 

    É nesse cenário que Jojo Moyes nos envolve em uma trama de amores impossíveis e casos extra-conjugais em diferentes tempos. Começo a perceber que é característica da autora explorar em seus livros o passado e o presente e ouso dizer que, nesse aspecto, A Última Carta de Amor se assemelha muito à outra obra que li dela: A Casa das Marés. 

    Há uma mistura entre o passado de décadas atrás e o atual. Jojo nos mostra a realidade de uma mulher da década de 1960, controlada por um marido e por uma sociedade que a suga. Ao mesmo tempo amargurada e infeliz, ela consegue encontrar forças para ousar e viver um novo amor. O mesmo se passa na atualidade. A bem sucedida jornalista Ellie mantém um caso com um homem casado, sem a menor culpa. 

    A última carta de amor está longe de ser um romance frívolo, pelo contrário, em alguns momentos a trama é bem densa. Quem não está acostumado à escrita da autora, pode considerar a narrativa um pouco cansativa e a história um tanto arrastada, mas eu já sabia o que encontrar. Me encanta essa característica da Jojo de sempre retratar os dois lados, de mostrar que por mais que o tempo passe, algumas coisas simplesmente se repetem. 

    Recomendo a leitura, mas aviso, Jojo Moyes tem um jeito peculiar de escrever seus romances. Mesmo com toda sutileza de suas colocações e uma proposta diferente e interessante, pode ser que ela não o agrade por completo. 


    10 motivos para assistir: Gossip Girl - parte I

    Olá leitores,

    Hoje trago uma novidade aqui no blog! Já que muitos leitores compulsivos também são viciados em séries americanas, resolvemos falar das séries que acompanhamos e (quem sabe) convencê-los a assistir. Se não convencermos, na próxima postagem sobre séries é você quem vai listar os 10 motivos para assistirmos a sua série favorita. E aí, topam?

    Para começar, não poderíamos escolher outra série, senão a mais perfeita do mundo inteiro: Gossip Girl. Acho que muitos de vocês já sabem que eu e Laís somos apaixonadas pela série e convencemos Babi a assistir. Então, já preparem o coração e reservem um tempinho para o final de semana porque vocês vão virar a noite assistindo depois deste post!





    1. A série é toda ambientada em Nova York, a metrópole mais famosa do mundo e também a mais elegante. Paris que me desculpe mas, Nova York tem um desfile de moda próprio e é muito mais romântica do que a cidade das luzes, principalmente quando estamos falando da série mais emocionante da televisão americana. Gossip Girl traz uma variedade de modelitos que deixam o telespectador babando. Os vestidos da Serena Van der Woodsen são sempre perfeitos e o jeito doce de Blair Waldorf influenciou (influencia) muita gente, inclusive eu, que passei a usar arcos de tanto vê-la desfilar com eles no ensino médio.


    2. A série mostra o cotidiano de pessoas milionárias de NY. Vai dizer que você nunca teve curiosidade para saber como vivem os ricos? Eu já tive, ainda mais para saber como vivem os filhos dOS ricos! Então, parece uma vida bem fácil e mansa, não é? Mas, em Gossip Girl temos Serena Van der Woodsen e Blair Waldorf, sofrendo com a cobrança familiar e lidando com a pressão de maneiras agressivas tanto no ambiente familiar como no escolar. Para muitos o ensino médio pode ser torturante. Procurando uma válvula de escape a Serena bebe demais e sai com todos garotos, não se importando com ninguém e Blair sofre com os distúrbios alimentares (bulimia). 

    3. Os meninos também não ficam para trás em Gossip Girl. Chuck Bass e Nate Archibald, sofrem com pressão familiar, mas lidam com isso sendo lindos e charmosos! As fãs vão ao delírio quando Chuck usa seu terno xadrez na primeira temporada ou então o seu famoso cachecol. Ou quando ele fala "I'm Chuck Bass." Ui! Ai, meu santo Bass! Nate é aquele personagem gato e conquistador. Dan Humphrey  é um garoto inteligente, nerd, desajeitado, mas charmoso!  O garoto tem o seu valor, apesar de não ser o meu preferido.



    4. A trilha sonora também segue a tendência da moda. Todas as músicas que tocam ou são os hits famosos do momento, ou são de bandas que estão crescendo. O mais legal disso tudo é que eles combinam as músicas com o momento. Tem uma cena entre Blair e Chuck super casada com a música "Love The Way You Lie" da Rihana e do Eminem. Ocorrendo mais ou menos assim: Chuck está tentando conquistar a Blair de uma mentira e ela está irredutível, mas depois de um olhar sofrido ela dá uma fraquejada e a música começa! Ai, perfeita! 





         5O amor é o ponto forte da série! Entre idas e vindas o casal mais bonito da tevê. Chuck e Blair mostrou para os fãs que o amor verdadeiro é a força mais poderosa do mundo. Segundo a fã Ana Tereza, do twitter @forleighton  os personagens a ensinaram que no final do dia o importante é estar com a pessoa que você ama independente de qualquer coisa.


    E aí galera, gostaram dos primeiros 5 motivos para assistir Gossip Girl? Sei que vocês ficaram curiosos para saber os outros 5, não é? Mas só iremos revelar no próximo sábado, portanto fiquem ligados. Para ficarem com gostinho de quero mais deixarei uma citação de Gossip Girl bem legal. 

         O problema com contos de fadas é que eles levam uma garota ao desapontamento. Na vida real, o príncipe foge com a princesa errada ou o feitiço acaba e os dois amantes se dão conta de que são melhores com o que quer que sejam. Mas vou confessar, de vez em quando uma garota consegue seu final de contos de fada.


    Tenho certeza que Gossip Girl vai mudar sua vida. Assistam!
    E você que assiste nos deixe sua impressão.
    Participação especial de Laís que me ajudou a fazer o post :)
    XOXO.