• Home
  • /
  • Sobre o blog
  • /
  • Colunas
  • /
  • Parceiros
  • /
  • Contato
  • Resenhas Novas

    Delírio - Lauren Oliver - Intrínseca



    Sinopse: Muito tempo atrás, não se sabia que o amor é a pior de todas as doenças. Uma vez instalado na corrente sanguínea, não há como contê-lo. Agora a realidade é outra. A ciência já é capaz de erradicá-lo, e o governo obriga que todos os cidadãos sejam curados ao completar dezoito anos. Lena Haloway está entre os jovens que esperam ansiosamente esse dia. Viver sem a doença é viver sem dor: sem arrebatamento, sem euforia, com tranquilidade e segurança. Depois de curada, ela será encaminhada pelo governo para uma faculdade e um marido lhe será designado. Ela nunca mais precisará se preocupar com o passado que assombra sua família. Lena tem plena confiança de que as imposições das autoridades, como a intervenção cirúrgica, o toque de recolher e as patrulhas-surpresa pela cidade, existem para proteger as pessoas. Faltando apenas algumas semanas para o tratamento, porém, o impensado acontece: Lena se apaixona. Os sintomas são bastante conhecidos, não há como se enganar — mas, depois de experimentá-los, ela ainda escolheria a cura?




    Lauren Oliver
    Editora: Intrínseca
    Ano de publicação: 2012
    ISBN: 9788580571646
    Número de páginas: 342
    Tradutor: Rita Sussekind 



    Em uma sociedade onde o amor é considerado doença, um “simples” romance adolescente pode se tornar algo mortal.

    Estamos em uma sociedade diferente da que conhecemos. Um lugar onde bondade, solidariedade, carinho, alegria, medo e até mesmo a dor são consideradas doença. E a pior delas é o amor. Ah, o amor... Essa palavra de quatro letrinhas que consegue compilar em si uma gama monstruosa de outros sentimentos. Aqui o Amor Delíria Nervosa é a mais letal das doenças. Você pode morrer por ela, ou pela falta dela. 

    É nesse contexto que conhecemos Lena, nossa protagonista. Lena conhecia muito bem os sintomas dessa terrível doença, e da pior maneira possível. Sua mãe não conseguiu ser curada e, sucumbindo aos sintomas da doença, suicidou-se. Depois disso Lena conta os dias até sua tão sonhada cura. O dia em que toda a dor, medo e tristeza deixariam de existir para ela. 

    Tudo estava correndo bem para Lena, até sua entrevista, quando um ataque dos inválidos, aqueles que viviam na selva e não concordavam com a tão aclamada cura, decidiram mostrar que estavam vivos e resistentes. O dia em que conheceu Alex, o garoto que mostraria e ela um mundo completamente diferente do que ela conhecia. 

    Lena é uma garota corajosa. É difícil romper com aquilo que aprendemos ser o certo durante toda a vida. Questionar antigas verdades e, de repente, se descobrir no meio de uma grande mentira deve ser desorientador e ao mesmo tempo apavorante. Acho que a crise de identidade dela é mais do que compreensível em meio a todo esse caos interior. 

    Em Delírio podemos vislumbrar um mundo sem amor e seus terríveis efeitos colaterais. Sem lágrimas, arrependimentos, sem dor, insegurança, rancor, e até mesmo sem corações partidos... Mas também podemos ver nitidamente que, longe do que muitos pregam, o ódio não é o contrário do amor. Ódio também é uma emoção de quem se importa. Já a indiferença que toma de conta dos “curados” essa é de arrepiar. Na verdade, eles parecem mais uma sociedade de psicopatas em massa ou zumbis, arrepiante! 

    Delírio é aquele tipo de livro que te deixa ligado. Eu simplesmente não desgrudei dele enquanto não conseguia amarrar todos os pontos da história. E quando finalmente pensei que iria matar a minha curiosidade descobri que o livro faz parte de uma série! 

    Agora vou ter que esperar uma vida (que é mais ou menos o tempo que os livros demoram pra chegar nesse fim de mundo onde eu moro), para saber o resto da história. Me desejem muita paciência enquanto espero, por favor! Rsrs’

    Abraços,
    Denise Rodrigues