• Home
  • /
  • Sobre o blog
  • /
  • Colunas
  • /
  • Parceiros
  • /
  • Contato
  • Resenhas Novas

    {Resenha} A cor do leite - Nell Leyshon - Bertrand Brasil




      (the color of milk)
    Nell Leyshon - Bertrand Brasil
    Tradução: Milena Martins
    368 páginas - Ano: 2014 - R$25,00

    Sinopse:
    "indicada aos principais prêmios literários do planeta, tendo grande repercussão na mídia norte-americana e na europeia, nell leyshon surpreendeu a todos com a cor do leite. a protagonista mary apresenta uma história sensível de superação e de coragem, com um final que vai chocar até o mais frio dos leitores.
    1831. uma menina de 15 anos decide escrever a própria história. mary tem a língua afiada, cabelos da cor do leite, tão brancos quanto sua pele, e leva uma vida dura, trabalhando com suas três irmãs na fazenda da família. seu pai é um homem severo, que se importa apenas com o lucro das plantações. contudo, quando, mesmo sem querer, é enviada ao presbitério para cuidar da esposa do pastor, mary comprovará que a vida podia ainda ser pior.
    escrito em primeira pessoa e todo em letras minúsculas, o texto possui estrutura típica de quem ainda não tem o pleno controle da linguagem. a jovem narradora intercala a história com suas opiniões – considerados por alguns críticos os trechos mais angustiantes da obra."



    Preciso começar esta resenha avisando que este livro é completamente diferente de tudo que você já leu na vida e o final é bem chocante. A autora mostrou a alma da personagem e todas as dificuldades que ela enfrentou na fazenda e quando foi morar na casa do pastor. Este não é um livro fofo, nem romântico. Eu diria que é um livro visceral, pois podemos ver os instintos de uma menina que foi criada na fazenda em um ambiente horrível, em uma época em que a mulher era desvalorizada e que ler e escrever eram praticamente “pecado” entre os pobres que nasceram para trabalhar. 

    Gostei muito do ponto de vista e críticas da autora sobre a mulher do século XIX. Já li muitos romances e dramas que não mostraram 1/3 do que eu li em 205 páginas escritas em formato de diário por uma garota que não sabe escrever corretamente.  A sensibilidade da autora em criar uma personagem tão diferente, tão irritante, sofredora, astuta e marcante foi sensacional.  Tem momentos que você fica com pena da Mary, em outros você não compreende de imediato, mas no final  entende tudo e fica chocado. Ao longo da leitura você está exposto a vários sentimentos contraditórios. Eu senti raiva, pena, ódio, compaixão e muitos outros que não sei nem explicar. 

    A cor do leite vai mexer com você e no final da leitura você não será a mesma pessoa.  Mary vai te irritar no começo, pois escreve sem regras gramaticais, sem letra maiúscula, sem pontuação, sem nada.  Ela precisa desabafar antes que seja tarde demais e para isso vai usar tudo que aprendeu para contar o que realmente aconteceu em sua vida nos últimos meses. 

    O desejo de contar tudo que sabe, a marcação do tempo em cada entrada de capítulo e a dureza da personagem misturada a uma inteligência sagaz criaram um clima forte e tenso para a história. O leitor sente vontade de “salvar” Mary e procura desesperadamente por uma solução para o seu sofrimento. Só que ela é uma garota da fazenda que vive na pobreza e gosta do que tem. Ela não quer ir para um lugar melhor e ficar longe da família. Ela quer continuar no mundo em que considera perfeito. Trabalhar o dia todo, dormir e comer pouco, viver em função das ordens do pai. Para Mary isso é o ideal, mas confesso que fiquei muito agoniada com a sua personalidade. Eu queria que ela fosse revolucionária, mas não foi e nem queria ser. Mary é uma personagem esperta e dona de uma astucia incomum para as mulheres da época. Na metade do livro em compreendi muito e aceitei a personagem.

     Isso causa uma inquietação boa no leitor e curiosa, porque foge do padrão de “mocinhas” dos livros do século XIX. No final percebemos que nem tudo é encantado e que na verdade é bem pior do que imaginávamos. 

    Eu gostei muito de ler este livro e queria agradecer a editora pela oportunidade de apreciar esta leitura tão diferente e chocante.