• Home
  • /
  • Sobre o blog
  • /
  • Colunas
  • /
  • Parceiros
  • /
  • Contato
  • Resenhas Novas

    {Resenha} A casa de Hades - Rick Riordan - Intrínseca



    Sinopse: A tripulação do Argo II enfrenta dias difíceis. Inimigos espreitam no caminho para a Casa de Hades e o moral da equipe está baixo após a perda de dois integrantes importantes em Roma. Para chegar às Portas da Morte e tentar impedir o despertar de Gaia, nossos heróis Hazel, Jason, Piper, Frank e Leo vão precisar fazer alianças perigosas, encarar deuses instáveis e combater os asseclas enviados pela sanguinária Mãe Terra para detê-los.A situação é ainda pior para Percy e Annabeth. Após caírem no Tártaro, os dois passam fome, sede e sofre com diversos ferimentos enquanto são caçados por vários inimigos que derrotaram ao longo dos anos e que agora surgem das sombras em busca de vingança. A única esperança da dupla de voltar para o plano mortal reside em encontrar as Portas da Morte e fechá-las de uma vez por todas. No entanto, uma legião de monstros fiéis a Gaia defende as Portas, e nem Percy nem Annabeth estão em condições de enfrentá-la.


    Como uma boa fã de mitologia - grega, romana, nórdica e afins - eu sou extremamente viciada em qualquer livro do Rick Riordan, e acompanho a série do Percy Jackson e Heróis do Olimpo desde que começou a ser lançada. Porém, ao chegar no quarto livro - penúltimo - comecei a ficar triste e querer adiar a leitura por estar tão perto do fim, mas agora, com o lançamento de O sangue do Olimpo me rendi, e finalmente li A casa de Hades. 

    Confesso, esse foi um dos melhores, mais angustiantes, sofridos e surpreendentes livros da série toda. Claro, ainda temos aquela "fórmula" do Rick de ter sempre a profecia, muita luta com criaturas mitológicas, aparições divinas, e afins. Porém a narrativa de Riordan e a construção dos personagens tão cativantes nunca torna isso cansativo. 

    A narrativa ainda é dividida entre os personagens, cada um tendo que lidar com seus próprios problemas e provações impostos pelos deuses e criaturas que encontrarão à caminho da Casa de Hades em sua missão para fechar as portas da morte. Isso é uma coisa que me agrada muito, pois temos todas as perspectivas do grupo, e ficamos sabendo de coisas que não compartilham entre si, podendo conhecê-los melhor.

    O que mais me encantou nesse livro foi a evolução dos personagens. Frank, Hazel, Piper e até Jason se provaram de uma maneira incrível. Eles, que estavam um tando "deixados de lado" nos outros livros, mostraram a que vieram e entraram de cabeça na luta, muitas vezes salvando a vida de todos eles, provando seu valor, e o motivo de serem um dos sete. 

    Gostei muito também do que Riordan preparou pra Leo, na ilha de Calypso, foi uma surpresa um tanto agradável, e que fiquei ansiosa pra ver o desfecho desses dois. Outra coisa que estou agoniada pra saber como vai ficar é o Nico, que se mostrou muito poderoso nesse livro e ao mesmo tempo muito frágil com os fardos que carrega, e ainda ser tão solitário. Acho que Riordan deu uma tacada de risco ao escolher qual seria a provação de Nico, mas foi uma tacada que pra mim funcionou brilhantemente. Gosto demais desse personagem e espero que Rick faça um final digno dele. 

    Quanto a Percy e Anabeth largados no Tártaro, bem, é tão ruim quanto parece. Os dois enfrentam de tudo nesse lugar monstruoso, desde a fome e a sede até monstros malignos e poderosos. Há ainda o fato de eles terem que lidar com tudo que já fizeram antes daquilo, quase como se todas as guerras das quais eles participaram voltassem para assombrá-los. Os dois foram muito corajosos e fiquei com dó no coração de ter de vê-los deixando dois amigos pra trás.

    No geral o livro é maravilhoso. Com uma narrativa simples e direta (como é típico dos juvenis) Riordan nos deixa presos a história, sempre ansiosos por mais e em agonia pra saber como será o desfecho de tudo. A única coisa que me acalma agora é saber que O sangue do Olimpo já foi lançado e eu poderei enfim saber o final de tudo, e claro, torcendo pra acaber tudo bem!

    Beijos,
    Lari Gaigher