• Home
  • /
  • Sobre o blog
  • /
  • Colunas
  • /
  • Parceiros
  • /
  • Contato
  • Resenhas Novas

    Feitiço - Sarah Pinborough




    (...) Não podia ser. Seu coração se acelerou. Sair à meia-noite ou estar em casa à meia-noite ? O que sua fada madrinha tinha dito? Ela não podia arriscar se atrasar. Ou ter sua segunda noite roubada. A noite em que o príncipe ia escolher. (...)
    Cinderela é uma jovem que sonha com bailes, vestidos luxuosos, belos príncipes e carruagens, algo que está muito longe de sua realidade. A verdade é que seu pai não está na melhor das situações financeiras e sua madrasta e meia-irmã só fazem pô-la para trabalhar enquanto ficam com a parte boa que era o que ela mais sonhava.

    Por tudo isso Cinderela é mais do que amargurada, ficando com raiva do pai que não vê o modo como a madrasta a trata e invejosa de suas irmãs que podem ter o que ela nunca terá, principalmente quando anunciam o baile da Noiva Real, quando o príncipe finalmente escolherá sua esposa. 

    Claro que, para Cinderela seria impossível comparecer, mas isso não diminuía seu desejo de estar lá e fazer o príncipe se apaixonar por ela, como ela tinha certeza que aconteceria. Porém as únicas que iriam era sua madrasta e Rose, a meia-irmã, o que era muito injusto. 

    Decidida que essa era sua chance de ter um baile de verdade, casar com o príncipe e viver a vida com a qual sempre sonhou, Cinderela não pensa duas vezes quando sua Fada Madrinha não tão convencional a oferece  uma ajuda pra ir ao baile, claro que em troca de um pequeno favor. Aí é que as coisas começam a realmente destoar da história que conhecemos de Cinderela. 

    Quando chega no baile o príncipe já está encantado por uma moça, mas Cinderela não se deixa abater e determinada a ter o príncipe para si usa os sapatinhos mágicos que ganhou da Fada Madrinha para chamar a atenção do príncipe que passa a não tirar os olhos dela. 

    A partir daí, as coisas se revelam um tanto inesperadas. Cinderela realmente perde o sapatinho e o príncipe faz de tudo para encontrá-la, e no meio tempo sua irmã Rose é quem sofre com as loucuras da mãe que insiste que ela deve caber no sapatinho, chegando a apertar o pé da filha com esparadrapo pra ficar mais fino. 

    O príncipe também não é como esperava e o encantamento do baile parece não existir mais, deixando Cinderela perdida que esperava que eles fossem viver felizes para sempre após todos seus atos egoístas pra ficar com ele. Há também a tarefe que sua Fada Madrinha a incumbiu de fazer e todos os segredos que parecem cercar o príncipe. Simplesmente nada era o que parecia e as coisas cada vez mais parecem seguir um rumo inesperado.

    Bem diferente do que no conto original da Disney, Cinderela tem e muitos defeitos, inclusive muitos de seus atos são egoístas e impensados. Por mais que ela seja injustiçada no início e sua madrasta e meia irmã não aparentem ser as mais afetuosas, Cinderela também não é a menina bondosa e de coração puro que acreditávamos. Porém uma coisa que se manteve foi sua ingenuidade, a crença e busca pelo amor verdadeiro, mas que ela acaba procurando no lugar errado.

    Assim como no primeiro volume da série, a autora procura nos surpreender e mostrar os personagens como eles realmente são, sem toda a fantasia da disney, mostrando seus defeitos, assim como as qualidades. Muitas vezes ninguém é como parece e no final nada é como pensávamos. Neste segundo volume a autora faz uma mescla, juntando a história da Branca de Neve com a da Cinderela de uma maneira que me agradou muito!

    Com sua narrativa fluida, Sarah mais uma vez nos encanta com um conto de fadas mais adulto e com personagens mais reais. As coisas que me incomodaram no primeiro livro praticamente desaparecerem neste, e todos os personagens tiveram sua importância na história. Inclusive, meu personagem favorito, o Caçador, apesar de ainda se manter enigmático, é muito mais abordado neste livro, e gosto cada vez mais dele. 

    A única ressalva que tenho a fazer, que me faria tirar meia estrela da classificação foi o fato de a autora não saber nos enganar muito bem. Vou explicar, no início, em vez de ela fazer parecer ser uma coisa e depois ser outra, ela nos mostra que é uma coisa e depois diz que é outra. Meio que se contradiz, e isso me irritou um pouco, mas não fez a história perder seu apelo pra mim. 

    Feitiço foi muito melhor elaborado que Veneno, e a história seguiu um rumo que eu não esperava mas gostei muito. Fico feliz de ter continuado a trilogia mesmo tendo me decepcionado com o primeiro volume, pois a autora evoluiu e muito neste! Valeu muito a pena continuar e dar uma chance a este livro.

    Classificação



    Beijos,