• Home
  • /
  • Sobre o blog
  • /
  • Colunas
  • /
  • Parceiros
  • /
  • Anuncie
  • Resenhas Novas

    Um trabalho sujo - Christopher Moore

    "Para controlar as Forças das Trevas, você precisa de um lápis número 2 e um calendário, de preferência sem fotos de gatinhos."

    Charlie Asher é o típico cara comum: tem um brechó, uma esposa que acabou de dar á luz e é super paranoico, com uma imaginação pra lá de fértil. Ele é o tipo de homem medíocre, que não se destaca em nada, está sempre á margem dos "machões", um pouco atrapalhado, e para alguns, um banana. Por outro lado, ele é o tipo de homem fiel, amoroso e gentil que as mulheres sempre procuram ao se decepcionar com os tais "machões".

    Para um cara que é tão comum e tem uma vida tão previsível quanto possível, pra ele é um tanto assustador descobrir que, logo após a morte de sua esposa, se tornou um agente da Morte. Se deparar com essa situação, um tanto quanto inacreditável, deixa Charlie ainda mais atrapalhado que o costume, e lutando pra entender sua nova função, seu novo "trabalho".

    Charlie luta pra entender o que aconteceu com ele, e porque logo com ele. Como uma pessoa normal qualquer e tão comum quanto, ele se esforça pra buscar as respostas pra essas perguntas e procura saber porque de repente ele começa a ver tantas coisas estranhas, tantas esquisitices como sombras, mulheres corvos e entre outros. Mas, como era de se esperar para um cara como ele, tudo dá tão errado quanto poderia.
    Charlie é um personagem apaixonante. Ele encarna o tipo de homem que as mulheres mais procuram e isso torna impossível não simpatizar com ele e sua maneira de tentar agradar a todos. Ele é também dono de um humor imbatível, ele consegue ser atrapalhado (mesmo quando com boas intenções) em quase qualquer situação e se mete em cada enrascada que só nos resta rir junto com ele.

    A narrativa do autor contribui muito pra nossa conexão com a história. É o tipo de narrativa dinâmica que nos mantém ligado a história a todo momento, e é super viciante, além de irônica. O que mais me marcou no livo todo foi exatamente isso: a ironia do autor. O livro inteiro é muito cômico e não dá pra passar mais de uma página sem rir de tão engraçado e bem-humorado que é. Até os agradecimentos do autor são cômicos! As piadas, o humor negro, as situações embaraçosas, o jeito desengonçado de Charlie, tudo contribuiu para minha extrema diversão durante a leitura desse livro. 

    A construção da história também é extremamente bem feita, a ponto de nos manter curiosos o tempo todo e nos surpreender com os mais inusitados acontecimentos e reviravoltas. O final é o mais inesperado possível e me matou de rir. A construção do personagem também é marcante, a forma como Charlie cresce ao longo do livro. Apesar de manter suas características principais de homem atencioso, gentil e amoroso ele se torna muito mais auto confiante e corajoso.

    O conjunto da obra (narrativa, construção e desenvolvimento da história e dos personagens, além do humor) é simplesmente brilhante. Nunca me surpreendi tanto com a qualidade de um livro. Esse é exatamente o tipo de livro divertido, leve, irônico e cheio de humor que eu adoro e que não damos nada por ele se formos apenas pela capa.

    Esse com certeza entrará nos melhores livros de 2014, só pelo humor - fora as outras qualidades. Um trabalho sujo será daqueles livros que recomendarei a toda alma viva que eu conheço, porque o mundo tem que conhecer o humor desse cara!

    Classificação



    Beijos,