• Home
  • /
  • Sobre o blog
  • /
  • Colunas
  • /
  • Parceiros
  • /
  • Anuncie
  • Resenhas Novas

    Entrevista - Paulo Martins Filho


    Olá, pessoal!

    O Mês dos Nacionais está chegando ao fim, mas temos planos para trazer outras novidades no decorrer do ano. Muitos autores estão sendo descobertos e grandes histórias nos são apresentadas. Desse modo, tenho certeza que sempre terá novidades nacionais por aqui. Então, que tal conferir a última entrevista do mês e conhecer mais um talento da nossa literatura? O autor é aqui da minha cidade e fiquei bem contente quando ele aceitou responder nossas perguntinhas. Vamos conhecê-lo?

    >> Primeiramente, gostaria de agradecer ao pessoal do blog pelo convite, e me apresentar. Eu me chamo Paulo Martins Filho, tenho 31 anos e possuo formação na área de engenharia. Atuo em minha área de formação, mas estou me aventurando no mundo da literatura, pelo simples prazer de escrever. 

    R&L: Qual foi o primeiro livro que você leu?

    PAULO: Não tenho recordação do primeiro livro que li, mas lembro que o primeiro livro que me despertou a curiosidade pela leitura foi "A Droga da Obediência", do Pedro Bandeira.

    R&L: E em qual momento você descobriu que gostava de escrever? Digo, que descobriu que seria escritor (a)?

    PAULO: Na adolescência eu era muito ligado em música. Eu fazia parte de uma banda e costumava escrever letras de músicas e contos, porém, com o passar do tempo e a dedicação à faculdade de engenharia, a escrita acabou ficando de lado. Em 2013, voltei a ter vontade de escrever e assim, naturalmente, nasceu o livro "Memórias Proibidas".

    R&L: Quais seus gêneros literários favoritos? Eles te inspiraram ou costuma escrever um gênero diferente dos que lê?

    PAULO: Eu sou bem eclético, e se você olhar a minha estante de livros, não conseguirá me decifrar. Mas gosto muito de ler sobre filosofia e observar e ler a respeito do comportamento humano. Também gosto muito de ler contos. Quanto à escrita, costumo escrever quando tenho uma boa ideia, ou quando observo algum fato ou ouço alguma história interessante. A leitura me dá as ferramentas para a escrita, mas minha maior inspiração vem da observação do mundo.

    R&L: Qual a importância da leitura atualmente? Qualquer leitura é válida?

    PAULO: A leitura é e sempre será importante, e acredito que qualquer leitura é válida, afinal, todos somos diferentes e também atravessamos diferentes fases ao longo da vida. O importante é saber tirar proveito de tudo o que se lê. Tudo serve de experiência.

    R&L: Fale brevemente sobre seus livros.

    PAULO: O meu primeiro título se chama "Memórias Proibidas" e está sendo lançado pela Chiado Editora, no Brasil e em Portugal. É um romance narrado em primeira pessoa pelo protagonista; Lorenzo. O meu segundo título se chamará "13 Sopros de Realidade e Uma Crônica Cafajeste" e também será editado pela Chiado. É um livro de contos baseado em personagens e histórias reais. Atualmente, esse livro encontra-se em fase de revisão e deverá sair no segundo semestre. O terceiro está sendo escrito com bastante paciência, pois precisará de bastante estudo, mas por enquanto, o foco está voltado mesmo para o lançamento do "Memórias Proibidas".


    R&L: Como você encara a literatura brasileira, como autor nacional? A receptividade é boa?

    PAULO: Para mim, escrever é um hobby, algo que faço por puro prazer. Na verdade, eu não esperava ser publicado, mas tudo ocorreu de forma natural e tem sido uma grande alegria entrar nesse Universo. O que mais me importa é tocar o leitor, transmitir uma mensagem ou reflexão, e a receptividade tem sido muito boa. Espero continuar produzindo.

    R&L: Conseguiria listar um Top 5 de livros/séries/sagas favoritos?

    PAULO: Difícil definir, pois estou em uma fase totalmente diferente agora, e muitas das coisas que li já não parecem tão interessantes. Deixarei para definir em nossa próxima entrevista.

    R&L: E autores?

    PAULO: Também difícil de definir, mas segue alguns que gosto ou gostei de ler:
    • Luis Fernando Veríssimo
    • Gabriel Garcia Marquez
    • Milton Hatoum
    • Arnaldo Jabor
    • John Green (li recentemente e gostei)
    R&L: Quais dicas daria para quem está iniciando o processo de escrita ou para aqueles que já têm um trabalho pronto, mas que sonham em publicar?

    PAULO: Para quem está começando a escrever os meus conselhos são: estude e organize-se. Primeiro estude bastante sobre o que você pretende escrever, busque técnica, depois defina claramente seus objetivos e estipule metas a serem cumpridas. Para quem já tem algum trabalho pronto, meus conselhos são: Revise a obra quantas vezes for necessário, submeta a leitura de várias pessoas diferentes e encontre seu público alvo, depois disso pesquise as editoras que se encaixam no seu perfil. Se o seu trabalho for bom, certamente haverá espaço.

    R&L: Deixe um recado para seus leitores.

    PAULO: Eu só tenho a agradecer o apoio de todas as pessoas que estão acompanhando meu trabalho, em especial à todos que curtiram a página do "Memórias Proibidas" no facebook. O livro ainda nem foi lançado oficialmente e já temos mais de 2.000 curtidas e diversas mensagens de apoio. Espero continuar trocando experiências e fico à disposição de vocês, basta dar uma passadinha na página do livro. Fica aqui o meu muito obrigado! Até breve!


    Confira as páginas oficiais do livro Memórias Proibidas e um pequeno trecho:

    Ao longo do caminho, conheci mulheres e, por mais que digam que são todas iguais e que só o que muda é o endereço, não são. Homens ignorantes. Todas são diferentes, ao menos nunca conheci duas iguais. Mulheres subvertem os sentidos. Algumas apaixonam os olhos, outras os ouvidos, outras olfato e paladar, mas a mais perigosa paixão nasce no tato. Pele. Magnetismo. Mulheres gostosas ao toque são mulheres que gostam de ser tocadas.  Para ser sincero, todos os meus sentidos já se apaixonaram, vários de forma simultânea, e acho até que minha visão se apaixona semanalmente, mas a paixão do tato foi realmente brutal. Mulheres viciantes. Loucas, dissimuladas e quentes. Transam como se estivessem apaixonadas. Fingem prazer como quem concorre ao Oscar. Mulheres apaixonadas. Nada mais fascinante e perturbador. Fazem amor sempre como se fosse a última vez, e sentem prazer mesmo sem fisiologicamente senti-lo. Ciúmes desequilibrados. Desejo. Loucura. Medo. Admirável agonia. Mulheres geniosas. Quer aguçar o melhor dela? Instigue-a. São competitivas e determinadas por natureza. Muito mais do que os pobres homens. Basta saber despertá-las. Homens tolos. Querem a fórmula para conquistar qualquer mulher? Não há.  Pensam que escolhem as mulheres? Elas o escolhem. Cada uma com seu método de seleção peculiar. Mulheres. As elegantes, as deselegantes, as naturalmente sensuais, as desajeitadas, as suaves e as firmes, as equilibradas e as descompensadas, as intelectuais, as desligadas, as sérias, as engraçadas, as puritanas e as despudoradas.  Não são iguais. E também não importa aparência, peso, cor dos olhos, cabelos ou pele.  Gostamos de mulher. Cada homem com seu gosto particular. Abaixo o silicone, o hidrogel e toda forma de mutilação da genética. Queremos carne, osso e pele. Sem enxertos.  As construções do homem jamais chegarão próximo às perfeitas imperfeições criadas pela natureza e assinadas por Deus, afinal, nem mesmo a complexa evolução natural, sozinha, seria capaz de tamanho feito. Há o inegável sopro divino em você, mulher. Ser sublime.

    O autor me ganhou só com esse pedacinho e estou ansiosa para ler o livro completo. Por enquanto ele ainda está em processo de distribuição nas livrarias e em breve vocês poderão comprar. Eu já tenho o meu, que foi cedido gentilmente pelo autor. :) Espero que tenham gostado da entrevista. Não deixem de passar na page e adicionar à sua estante no Skoob.

    Até mais,