• Home
  • /
  • Sobre o blog
  • /
  • Colunas
  • /
  • Parceiros
  • /
  • Anuncie
  • Resenhas Novas

    Não Se Apega, Não - Isabela Freitas

    "Felicidade é se sentir bem sendo a pessoa que você é, a pessoa que não precisa fingir, a pessoa que mora dentro de você. É acordar com a certeza de que você tem tudo sob controle."
    Sabe aqueles filmes que o foco é a vida da personagem com muitos flashbacks e algumas divagações? Eu não me lembro de nenhum específico porque sou péssima para lembrar nomes, mas enquanto eu lia Não se apega, não eu me senti dentro da cabeça da personagem e pude ver seus sentimentos com clareza. 

    A Isabela é real, seus problemas são comuns e seus conselhos interessantes. Como a maioria dos livros de menina, a personagem é dramática, exagerada e adora falar. O que mais gostei dessa mistura foi que a autora deu conselhos importantes em meio a uma história triste da personagem. Misturou história “real” com conceitos de autoajuda e tenho certeza que muitaaaaaaaaaaaas pessoas se identificaram com os problemas citados.

    Isabela terminou o namoro com um garoto mala, ciumento e machista. Apesar de se sentir aliviada, um vazio toma conta de seu coração já que se sente fracassada por não encontrar o seu príncipe encantado. Toda vez que se apaixona, ela acha que encontrou o homem perfeito, mas ao longo do relacionamento descobre que o príncipe é um sapo. Seu melhor amigo, Pedro, está sempre presente com ótimos conselhos e apoio emocional, mas mesmo assim o Filme de Isabela se repete e ela sempre cai no vício de se iludir e se apegar demais aos cafajestes. Até que... 

    Não posso contar mais senão vou dar muito spoiler, mas eu gostei muito da leitura e me surpreendi com alguns conselhos, pois os achei bem maduros e importantes para muitas pessoas. Vejam esse quote:
    “O amor cria obstáculos, buracos e armadilhas por todo caminho. A gente só não pode desistir. Temos que aprender a rir da própria desgraça e a encontrar felicidade até nas decepções. Acredite, você não está sozinho.  A vida de todos é uma batalha incansável contra a solidão. Porque solidão não é estar solteiro, é se sentir deslocado, mesmo acompanhado. Solidão é viver um amor que não existe mais. É se agarrar ao passado que já evaporou. P. 27”
    A linguagem do livro é coloquial e fácil, mas há conselhos profundos oriundos de pensamentos filosóficos, sociológicos e por aí vai.  Separei este quote sobre o amor e solidão porque estou lendo um livro sobre a busca da felicidade constante de Zygmunt Bauman que cita algo bem parecido. Por isso que Não se apega, não é um sucesso! Não é só mais um livro de autoajuda e nem mais um livro com história clichê de superação após um pé na bunda. É um livro que mistura divagações e experiências da personagem com conceitos esquecidos pela sociedade. Ele mostra para o leitor que você tem que ter amor próprio, que a vida é difícil e que relacionamentos não são contos de fadas.

    Uma questão muito forte no livro é a de que você tem que aprender com os seus erros e só consegue ser forte quem já “apanhou” e caiu muito na vida.  Esse foi o único ponto que eu achei chocante demais, não por ser contra, pelo contrário acho que você aprende muito com os erros e fica mais esperto quando cai, mas não acho que este seja o único caminho para se alcançar a sua força interior. Apesar de ser o caminho que muitas pessoas, inclusive eu, seguem quando levam uma rasteira. É só um comentário, viu!

    A diagramação do livro ficou linda! Primeiro, porque eu amo vermelho e a capa ficou super elegante e sofisticada com a boneca em branco. Segundo porque cada capítulo tem uma frase de efeito que a Isabela falou na internet e cada título é uma frase significativa.
    Recomendo a leitura e vou guardar o livro na cabeceira. Alguns conselhos precisam ser lidos todos os dias hahahaha
    “O desapego não é indiferença, covardia ou desinteresse. O desapego é e libertar de tudo aquilo que faz mal e causa sofrimento. Desapegar é sinônimo de se libertar. Soltar as algemas. Colocar asas. Se permitir voar novamente. O desapego é aceitação, é o desprendimento.” P. 221

    Classificação:



    Beijos,