• Home
  • /
  • Sobre o blog
  • /
  • Colunas
  • /
  • Parceiros
  • /
  • Anuncie
  • Resenhas Novas

    Memórias Proibidas - Paulo Martins Filho

    Existem pessoas que precisam do nosso amor e não têm culpa das nossas dores e traumas. (...) Era hora de recomeçar, de destrancar as portas que prendiam meus sentimentos. 

    Lorenzo Bianchi é um homem de trinta e cinco anos bem-sucedido, que assumiu a gerência do patrimônio que herdou de seus pais. Agora, dono de uma série de imóveis e uma construtora de grande porte, sua vida é cheia de viagens importantes e reuniões de negócios. Entretanto, são as lembranças de um passado conturbado que o visitam vez ou outra durante a noite e tiram-lhe o sono. Certo dia, após acordar no meio da madrugada por conta de um pesadelo relacionado a morte dos pais, Lorenzo passa a refletir sobre diversos acontecimentos, mas, principalmente, sobre a experiência que considera a mais bela e mais intensa para o ser humano: a paixão. E, assim, ele nos confidencia de maneira bem íntima, alguns dos relacionamentos que marcaram sua vida e aquele que o arrancou do grande vazio no qual vivera por anos.

    Memórias Proibidas é um livro curto e que contém relatos de um personagem que, após sofrer uma decepção amorosa, tranca seu coração e passa a levar a vida de modo aventureiro e repleto de joguinhos de sedução. Porém, com o passar do tempo, Lorenzo acaba se viciando no trabalho e na sua própria satisfação sexual, não deixando espaço para relacionamentos sérios e, menos ainda, para o amor. Felizmente, algumas mulheres que passaram por sua vida foram capazes de transmitir algum tipo de aprendizado e fizeram com que o muro de gelo construído ao redor de seu coração, por conta desse relacionamento frustrado e traumático, fosse derrubado.

    Cristina, Ana, Thais e Sophia... Cada uma delas, com suas singularidades e personalidades diferentes, permitiu que Lorenzo experimentasse diversos tipos de sentimentos. Ele aprendeu como a vida pode ser dura e solitária, principalmente quando nos fechamos e impedimos que as pessoas vejam nosso interior e como realmente somos; como a aparência é capaz mascarar as dores e até as feridas mais profundas de nossa alma. Ele acreditava que fazia bem a si mesmo afastando as pessoas, mas logo veio a constatação de que o efeito disso é completamente o contrário.

    Paulo me surpreendeu positivamente de diversas maneiras. Sua escrita é simples, mas rica, poética e gostosa de ler. A escolha das palavras e o modo como ele descreve cada relação é tão natural que sentia como se estivesse conversando um amigo. Uma das coisas que mais me agradou foi a questão da perspectiva masculina. A maioria dos livros que leio são escritos por mulheres e, mesmo quando colocam um personagem para narrar, não consigo sentir veracidade no ponto de vista. Nesse caso, não só o protagonista é homem, como também o autor e, mesmo quando narra as cenas de sexo, consegue ser aprazível e nada vulgar.

    A mensagem do livro é muito bonita e, de maneira geral, ele é bem reflexivo. Embora os casos sejam fictícios (ou não?) eles são bem críveis e foi isso que me encantou; essa linha tênue entre realidade e ficção é a chave para um autor me fisgar. E não me refiro, claro, aos livros de fantasia. Hahahah! As personagens são muito bem estruturadas, as características bem delineadas e cada personalidade é, indiscutivelmente, ímpar. Enquanto você simpatiza com uma, você quer dar umas boas tapas na outra, ou simplesmente não sente nada pela "fulana" e torce muito pela "beltrana". Bem típico de nós leitores, hein?

    Quanto a Lorenzo, ele é um personagem intrigante, nada previsível e confesso que não sabia o que esperar dele. Os capítulos contam suas histórias meio que fora de ordem cronológica e temos a oportunidade de conhecê-lo em algumas fases diferentes de sua vida. Não sei dizer ao certo o que me fez gostar dele, mas personagens masculinos com problemas emocionais geralmente despertam algum tipo de sentimento em mim que faz com que eu tenha certa empatia por eles. A exemplo disso é Christian Grey,  sim, eu li 50 Tons, única razão pela qual concluí a trilogia. Eu realmente tinha curiosidade sobre ele e queria saber no que ele se transformaria no final, após finalmente abrir seu coração. Lorenzo não chega a ter os problemas de Grey, nem de longe, mas a essência é a mesma: os dois precisavam de amor. Ponto.

    Ao terminar a leitura fiquei cerca de dez a quinze minutos absorvendo as últimas palavras de Lorenzo. Cheguei a conclusão de que ele realmente merecia aquele final. E cara, como eu gostei dele. :) Vem aqui, amigo, me abraça! A única coisa que realmente me incomodou durante a leitura, foram os diálogos entre aspas. OK, eu sei que ele se referia às lembranças, mas enquanto narra está em tempo presente, portanto, acredito que merecia um travessão. Sério. Não sei se é um padrão da editora, pois não havia lido nenhum outro livro publicado por ela, mas não me agradou. De qualquer forma, não diminui o trabalho autor.

    Memórias Proibidas é super recomendado e só perdeu um coração por conta desse "detalhe". No mais, adorei a escrita cheia de nuances e o conjunto da obra não deixa a desejar. Fico muito feliz que alguém aqui da minha cidade tenha estreado no mundo literário com um trabalho excelente e que cumpre o que promete. O livro tem como alvo um público mais adulto por conta de algumas cenas com conteúdo sexual. Não classificaria como erótico, mas não recomendo para os mais jovens, ok?

    Paulo, muito obrigada pela confiança em mim e no blog.
    Desejo muito sucesso!

    Classificação:

           

    Até mais, pessoal!
    Beijão,