• Home
  • /
  • Sobre o blog
  • /
  • Colunas
  • /
  • Parceiros
  • /
  • Anuncie
  • Resenhas Novas

    A Playlist de Hayden - Michelle Falkoff

    Eu tinha escutado aquelas músicas sem parar nos últimos dias, tentando descobrir o que ele quis dizer com aquilo. Ouça. Você vai entender. O que eu deveria entender? Ele se matou e me deixou aqui sozinho para encontrá-lo.
     Sam é um adolescente geek , consequentemente, nada popular que mora do lado pobre da cidade e dedica seu tempo a jogos de video game, computadores e HQ's na loja do único shopping da região. Apesar disso, Sam compartilha suas inseguranças e solidão com seu único e melhor amigo Hayden, que mora na parte rica, porém tem tantos problemas quanto Sam, motivo pelo qual os dois se tornaram tão próximos já na infância.

    Hayden é disléxico, baixo e gordo, características que desagradam sua família que exige nada menos que a perfeição igual a de Ryan, o filho mais velho que atormenta desde sempre seu irmão e Sam, humilhando-os na frente de quem for a cada oportunidade juntamente com Jason e Trevor, a trifeta do bullying, como são conhecidos na escola. Para evitar esse tipo de situação, Sam e Hayden costumam ficar na deles, não frequentam festas e não se misturam com os demais, apesar de Sam pedir para Hayden tentar, junto com ele, se enturmar com outros colegas, porém, ele nega insistentemente.

    Apesar das dificuldades da adolescência, Sam tem esperanças de que no futuro as coisas serão melhores para os dois, mas, infelizmente, Hayden parece não pensar igual.

    Em determinada noite é Hayden quem estranhamente insiste para Sam ir a uma festa com ele, o problema é que essa festa é justamente na parte rica de Libertyville, ambiente em que ele se sente deslocado por ser tão diferente de todos. Mesmo não gostando da ideia, Sam aceita acompanhar o amigo, mas fica irritado por nem ao menos saber o motivo de ser tão importante irem nessa festa que, no fim, acaba causando uma séria briga entre os dois amigos.

    Na manhã seguinte, para Sam, a briga foi apenas mais uma até encontrar o corpo do melhor amigo sem vida e, ao lado, uma playlist e um bilhete para Sam.

    Comecei a ler esse livro alguns dias depois de recebê-lo, me pareceu interessante até, mas não imaginava que teria a intensidade que tem. Em determinados momentos lembra "As Vantagens de Ser Invisível" já que os protagonistas têm muitas coisas em comum, porém a narração consegue se diferenciar bastante, principalmente porque neste há muitos mistérios envolvendo a morte de Hayden,. Há um suspense maior e, em determinado momento, eu não queria parar de ler antes de descobrir todos os estes mistérios.

    As músicas da playlist são muitas vezes pesadas, tristes e/ou melancólicas e demonstram muito os possíveis sentimentos que Hayden trazia consigo, porém, nem mesmo Sam imaginava que o amigo sentia-se tão desesperançado então começa a tentar desvendar os significados da playlist deixada por Hayden especialmente para ele.

    Sam não sente-se capaz de simplesmente seguir em frente enquanto não entender o que aconteceu na noite da festa, em busca de descobrir as verdades que percebe que seu amigo escondia, ele conhece Astrid, uma garota fora do comum que passa a apoiá-lo e confundir seus sentimentos, afinal, parece que está rolando alguma coisa entre os dois, mas, ao que tudo indica, ela tem um namorado que é muito legal com Sam para que ele cometa essa traição. E ainda há dúvidas que não calam: Onde e quando Astrid conheceu Hayden? Por que ele não contou sobre ela? Qual a relação entre os dois?

    Ao passo que vai desvendando alguns mistérios sobre seu melhor amigo, outros ainda mais estranhos vão aparecendo e Sam percebe que não é o único que se sente responsável pela decisão de Hayden.

    No início o que me prendeu ao livro foram todos esses mistérios que pareciam nunca se resolver, mais para frente, quando as verdades começaram a aparecer me vi questionando as culpas e erros junto com Sam. O sentimento de cada pessoa que estava na vida de Hayden se aprofundam de acordo com as confissões e achei esse um dos pontos mais tocantes do livro, fui me acumulando de todos os sentimentos e culpas até que, lá para o final, desabei, chorei, senti as palavras de modo muito profundo para então, no último capítulo sentir junto com Sam um alívio enorme.

    Para mim, foi um livro que conseguiu despertar minha curiosidade e minhas emoções, portanto, indico para quem gosta desse tipo de leitura.
    Beijos, gente.

    Classificação