• Home
  • /
  • Sobre o blog
  • /
  • Colunas
  • /
  • Parceiros
  • /
  • Anuncie
  • Resenhas Novas

    Filha da Floresta - Juliet Marillier

    "– Você vai descobrir, filha da floresta. Através de dor e sofrimento, de grandes obstáculos, de traição e perda, você seguirá seu caminho."
    Filha da floresta conta a história de Sorcha, sétima filha de um sétimo filho, que se tivesse nascido homem teria herdado magia e uma profunda ligação com os seres da floresta que rodeia sua terra natal, Sevenwaters. Porém, ao contrário dessa crença, Sorcha, mesmo sendo mulher, ainda era dotada de magia e uma conexão sem igual com a floresta. 

    Tendo perdido a mãe na data de seu nascimento, e, por esse mesmo motivo, ter seu pai tão ausente de sua vida, Sorcha foi basicamente criada por seus seis irmãos mais velhos, em meio a floresta que cercava sua casa, e que dizia-se conter inúmeros seres mitológicos, e um poder tão grande, que quem não a conhecesse, facilmente seria enganado por seus caminhos de árvores altas e vegetação densa. 

    Sorcha, desde pequena tinha uma ligação profunda com os irmãos. Eles era unidos de tal maneira, que um percebia facilmente o sofrimento do outro sem a necessidade de palavras. E com um deles, Finbar, a conexão era ainda mais profunda, a ponto de poder se comunicar mentalmente com ele, habilidade que só os dois, e mais tarde, Conor, possuíam. 

    Cada um dos filhos de Lorde Colum tinha uma habilidade específica e única, e uma personalidade marcante, com características que os tornavam muito diferentes uns dos outros, mesmo sendo tão parecidos fisicamente. A habilidade de Sorcha se mostrou logo cedo: aos treze anos já sabia fazer preparados e infusões de todos os tipos com plantas e ervas, e atuava como a curandeira do vilarejo, tratando das doenças e males dos aldeões. 

    Mesmo com a constante ausência do pai, que vivia em campanhas de guerra, Sorcha vivia feliz na companhia de seus irmãos, que a amavam mais que tudo. Mesmo que ás vezes tivesse a sensação de não ser amada pelo pai, Sorcha sabia que sempre podia contar com eles. E tudo ia bem até ela chegar: Lady Oonagh era a personificação do perigo e da maldade. Enfeitiçava todos a sua volta, inclusive seu pai, que se casou com ela e se submeteu à sua sedução. E, embora os sete irmãos tenham percebido o perigo que ela representava, foi tarde demais, e eles foram submetidos a uma terrível maldição que apenas Sorcha, o elo entre eles, poderia quebrar. Logo, Sorcha embarcou em sua missão, cheia das mais terríveis provações e tarefas a fim de salvar seus irmãos.

    Filha da floresta, pra mim, é um livro impossível de descrever com palavras. Ele é aquele tipo de livro que te envolve tão profundamente que é difícil retornar das páginas para o mundo real. Juliet criou um dos enredos mais fascinantes e incríveis que já tive a oportunidade de ler. São tantas coisas sensacionais nesse livro que não sei nem por onde começar a descrever. 


    Primeiro, o universo. Que incrível a mitologia, magia, os seres, as crenças. Sevenwaters é um lugar da Irlanda, onde todos sabem haver magia da mais profunda, e as crenças são tão antigas que já estão enraizadas no local. E a autora soube criar essa atmosfera mítica tão bem que eu sentia o poder da floresta saltando pelas páginas enquanto Sorcha descrevia os carvalhos e árvores que havia nela. Poderia falar muito mais apenas sobre esse ambiente místico, mas acredito que só lendo dá pra ter ideia da extensão desse universo.

    Segundo, os personagens. A ligação entre os sete irmãos - Liam, Diardmid, Cormack, Conor, Finbar, Padriac e Sorcha - é tão intensa e profunda que percebe-se nitidamente o amor que sentem um pelo outro. Cada um deles é especial por si só, mas junto são um grupo único, e, eu diria, quase invencível. A autora construiu tão bem os personagens, que em nenhum momento eles se confundem. No início eu até demorei a me situar, afinal, são sete irmãos diferentes que aparecem constantemente na história e são muito importantes, mas conforme fui conhecendo-os e aprendendo cada uma de suas características percebia facilmente de quem Sorcha estava falando, sem ela nem precisar citar o nome. Conor, por exemplo era o sensato, o sábio, e Pariac era o que tinha uma enorme empatia pelos animais, usando de toda sua dedicação para cuidar deles. E assim vai, cada um especial de seu jeito.

    O enredo também é sensacional. Filha da floresta é um conto de fadas do mais tradicional, inspirado em um conto dos irmãos Grimm, e não tem nada de bobo, nada do encanto, ou da perfeição que são os contos de fada de hoje em dia, como os da Disney. Esse é um livro bem mais pesado, bem mais sombrio e tenso. Em filha da floresta, os acontecimentos são terríveis, a mocinha passa pelas mais difíceis provações, e aguenta tudo demonstrando uma força e maturidade absurda para a idade que tem. E o final.. ah o final não é nada tão encantador quanto finais felizes da Disney, tudo termina de maneira devastadoramente real, e crível. Essa foi uma das coisas que amei na autora: ela não se preocupa em deixar nada bonito, em embelezar a história, ela conta o que tem que contar e fim. E desse jeito que as coisas são e acabou, nada de mimimi, nada de mocinha chorona e fraca. Toda a jornada que Sorcha passa tem seu propósito e seu efeito nela, e faz com que ela amadureça de forma surpreendente.

    A narrativa da autora é outro ponto notável. Ela consegue nos envolver de uma maneira absurda, deve ser magia, só pode! Eu entrei na história de um jeito que não saí dela até agora. De vez em quando fico divagando e quando percebo já estou com Sorcha, sofrendo junto com ela, lutando e se sacrificando junto com ela, e nos perguntando porque os seres da floresta tem que ser tão cruéis. A autora conseguiu fazer com que eu sentisse uma empatia enorme por ela.

    Por mais que o livro tenha suas 600 páginas, não se torna cansativo em momento algum. Mesmo no início, quando Sorcha ainda nos está apresentando sua história e sua família, é tudo tão interessante que nos mantém ligados o tempo todo na história. Eu nunca li um livro tão fascinante assim na vida, que tivesse uma mitologia tão viva, com um mundo mágico e misterioso tão encantador e fascinante (eu sei, já usei 500 vezes essa palavra, mas não tem outra pra descrever esse livro que não ela).

    A saga de Sorcha me deixou com as emoções a flor da pele, me fazendo passar pela aflição, pela tristeza, pela agonia, pelo ódio e o desprezo, e por outras vezes, me fez suspirar e sentir o amor emanando das páginas. Me espantei com a força dessa menina e como ela foi capaz de se manter firme em seu propósito. Ela é um tipo de personagem que ensina várias lições, que nos mostra do que os humanos são capazes e como outros conseguem ser tão bons, tão puros de caráter. 

    Basicamente esse é o melhor livro do ano pra mim! Sei que ele ainda está na metade, mas duvido que algum ultrapasse o que esse livro foi capaz de despertar em mim. A história é maravilhosa e a autora acertou em todos os pontos. Além disso, devo parabenizar a editora por uma edição tão linda e caprichada. A capa tem efeitos metalizados e é muito bonita, e os detalhes dos capítulos, os símbolos celtas das páginas são perfeitos! Amei cada detalhe e só posso recomendar a todo mundo que leia esse livro porque ele é MARAVILHOSO!!!

    Classificação

    + mil corações

    Beijos,