Para ler a resenha do livro anterior a esse, clique aqui.

Durante o último ataque de mitológicos à Fortaleza Negra, Sasha sofreu perdas irreparáveis. Agora, só o que ela quer é juntar os cacos e seguir em frente. Mas, quando menos espera, ela se depara com um esquema de tráfico de sangue dentro da Fortaleza e resolve usar essa informação para se aproximar de Klaus, o líder dos Mestres vampiros.  Enquanto isso, Mikhail viaja na companhia dos irmãos numa caçada aos mitológicos, e está concentrado em encontrar seus inimigos e dar fim ao grupo que atacou a Fortaleza.

Mal sabe ele que, enquanto isso, Sasha está se arriscando para desvendar todo o mistério que envolve o tráfico de sangue, ao mesmo tempo que tenta se reaproximar do cientista Blake Campbell e descobrir mais sobre a Exterminator, a arma criada para exterminar os mitológicos, mas que também pode ser uma grande ameaça para os vampiros. Será que Blake está tramando contra os Mestres? Sem que imagine, as investigações de Sasha a levam a percorrer um caminho sem volta que acaba se transformando no seu pior pesadelo.

Em Tempestades de Sangue, a narrativa que se segue começa praticamente onde o primeiro livro terminou: com o luto de Sasha e a partida de Mihkail. Todavia, a autora vai recapitulando alguns acontecimentos e refrescando nossa memória, o que é um ponto positivo para quem leu - ou vai ler - ambos os livros com um grande intervalo de tempo.

Diferente de Fortaleza Negra, o romance entre Sasha e Mihkail tem um pequeno "hiatus", visto que o mestre poderoso foi à caça dos mitológicos e a garota permaneceu dentro dos muros da "cidade". O enredo gira em torno de uma arma fabricada para a destruição dos sobrenaturais (tanto vampiros quanto mitológicos), mas que está em posse dos mestres e estes têm como objetivo usá-la apenas contra os inimigos, claro.

Todavia, tem um certo alguém interessado na Exterminator e este arma uma emboscada para consegui-la. O que não me surpreende, é o fato da jovem Sasha estar justamente na hora e no lugar errado, sendo capturada pelo misterioso "ladrão", assim como o garoto prodígio, Blake. Antes de ser jogada numa caverna escura, Sasha tentava descobrir um esquema de tráfico de sangue dentro da fortaleza, em troca de certos benefícios do mestre Klaus. E o resultado não foi dos melhores. Ou seja, nossa protagonista é um imã de confusão. Hahaha!

Achei o ritmo desse segundo volume um pouco lento nas 100 primeiras páginas, mas ele vai acelerando à medida que se aproxima do verdadeiro clímax da história. Kurt continuou me animando durante a leitura, Klaus, mesmo com sua paciência praticamente inexistente me agradou bastante, Mihkail, como sempre, um verdadeiro pedaço de mal caminho e Sasha... Continuou sem ganhar minha simpatia. Como dizem por aí: nosso santo não se bateu. Kkkk...

Os mitológicos foram bem mais explorados, fiquei com certo pavor da frieza deles e, cara... Não consigo nem imaginar um. #medo Eles são cruéis, violentos e impiedosos. Quanto ao cenário, adorei o pano de fundo escolhido para as narrações de Mihkail, o contexto histórico mesclado à ficção, encaixando a trama com fatos reais... Acho muito bacana quando o autor consegue inserir isso com naturalidade. E a Kel foi brilhante.

O final é... COMO ASSIM, BRASEEEL? Sem mais. Quero aproveitar e fazer um apelo à autora: Por favooooor... Mais capítulos narrados pelo Kurt! <3 Obrigada! Tenho Fortaleza Negra ainda como meu preferido, mas Tempestades de Sangue tem uma boa história também. Agora é aguardar o próximo livro e torcer pra que não demore demais! Hahaha... :)

P.S.: Não me prolonguei pra não soltar spoilers acidentalmente. Geralmente me empolgo e acabo fazendo isso. Sem maldade, claro, mas isso não é legal! #shame

Classificação:




Beijão,