Oi gente! Tudo bem?
Pra quem não sabe, eu sou uma autodeclarada fã de romances históricos. Esse é um dos gêneros que nunca ficam clichês ou cansativos pra mim, e é o tipo de leitura que eu amo quando não sei mais o que ler. Pensando nisso, decidi trazer pra vocês uma questão básica nos romances históricos. Quais as diferenças dos títulos da nobreza? Qual a hierarquia delas? Vou contar tudo pra vocês já, já!

São 5 os principais títulos de nobreza que mais vemos nos livros de romances históricos. Os que possuíam qualquer um desses títulos, geralmente recebiam terras do próprio Rei, onde eles governavam e ajudavam na administração do reino. Os títulos surgiram no século 5, mas só no 9 que se tornaram hereditários, passando de pai pra filho. Uma curiosidade é que aqui no Brasil esses títulos eram comprados, e não passados de geração em geração. Mas vamos aos títulos, em ordem de poder decrescente:




DUQUE



Depois do rei, era o nobre mais poderoso, recebendo grandes extensões de terra para administrar. Os primeiros duques vieram do Império Romano, onde os comandantes militares eram agraciados com o nome de dux ("aquele que conduz", em latim). Seguindo a tradição, países como Espanha e Portugal davam o título a seus maiores generais.
MARQUÊS



Abaixo do duque na hierarquia da nobreza, o marquês governava os marquesados, áreas do tamanho dos estados atuais. Alguns tomavam conta dos territórios reais localizados em fronteiras, lutando para evitar invasões. A origem do nome deixa clara essa função: em latim, marchensis significa "o que fiscaliza as marcas"


CONDE


Assessorando o rei num monte assuntos, do recolhimento de impostos aos combates militares, o conde era tão importante no dia-a-dia dos reinos que tinha até um substituto para suas ausências, o visconde. O conde também administrava os condados, área menor que os marquesados. O título vem do latim comes, "aquele que acompanha".

VISCONDE



Era o substituto do conde — em latim, vicecomes significava vice-conde. Esse título de nobreza, assim como o de barão, surgiu bem mais tarde, apenas durante o século 10. Em termos administrativos, os viscondes podiam dirigir pequenos territórios, do tamanho de vilas



BARÃO


Mais um título criado com o feudalismo já em decadência. A honraria era concedida a súditos fiéis dos reis, geralmente homens ricos. As terras governadas pelos barões eram ainda menores, do tamanho de fazendas ou sítios. Em sua origem germânica, a palavra barão significa "homem livre".

Vale salientar que mesmo que haja diferença de poder entre esses 5 títulos, todos eles possuíam grande poder, influência e prestígio na sociedade. Hoje em dia, na Inglaterra principalmente ainda há quem dê valor a esses títulos - afinal ainda vivem na monarquia -,  mas em geral os títulos caíram em desuso.

Espero que tenham gostado desse texto! A fonte de pesquisa foi o mundo estranho, e acredito que para os fãs de romances históricos essa é uma informação interessante!

Beijos,