Foi o último dia do ensino médio, e Lucy junto às suas duas amigas (Daisy e Jazz) saíram para comemorar a formatura virando a noite fora de casa. Na primeira parada da noite, numa lanchonete, Daisy - com seu "dom" de vidente - prevê que os próximos garotos a entrar no local seriam os próximos namorados delas. Para surpresa das três quem entre é Ed, Leo e Dylan. Entre Jazz e Leo logo surge uma química notável e os dois se dão super bem; Daisy e Dylan ficam meio hesitantes pois eram namorados mas estão meio brigados, o que torna essa uma ótima oportunidade para se entenderem; já entre Lucy e Ed as coisas são mais complicadas já que entre ambos tudo que existe é um ressentimento de uma lembrança ruim, más impressões e alguns enganos.

Acontece que Lucy não está interessada em nada disso - a única vontade que ela tem de verdade é conhecer o Sombra, o grafiteiro misterioso que deixa pelos muros da cidade sua arte e derrama delas seus sentimentos e emoções. Lucy é obcecada por esse cara e acredita até estar apaixonada, o que a faz se fechar para outros caras como Ed. Como ela mesma possui uma alma artística, ela vê um garoto sensível e inteligente por trás das pinturas e sonha em conhecer e quem sabe ter um romance com o misterioso Sombra. Por isso, com o intuito de tornar a noite mais suportável, ela e Ed partem em um tour pelos trabalhos de Sombra com a esperança de esbarrar com ele por aí.

Graffiti Moon é diferente da maioria dos livros que já li na vida. A história em si não é nada de extraordinário, o encanto está na forma como a autora a conta. A primeira coisa interessante que me chamou a atenção no livro é que a história toda se passa em apenas uma noite. Isso pode parecer pouco pra desenvolver um romance, e até elaborar uma trama mais intrincada, mas surpreendentemente a autora conseguiu construir a história muito bem mesmo nesse curto espaço de tempo e os próprios personagens tiveram um amadurecimento ao longo dessa aventura de uma noite.

O que mais me agrada nesse livro é o quanto ele consegue ser verossímil e, por esse fato, tocar tão profundamente na gente, nos deixar emocionados e reflexivos ao final da leitura. Ainda mais se o leitor estiver nessa fase de transição da adolescência pra vida adulta, na qual tem que decidir o que fazer da vida, que caminho vai tomar e que tipo de pessoa vai querer se tornar. Nenhum dos personagens é perfeito, e cada um tem seu problema a ser resolvido, sejam pais negligentes e envolvidos com bebidas, sejam problemas financeiros, seja a situação indefinida do casamento dos pais, ou problemas escolares. Esses pequenos detalhes da vida de cada personagem torna-os reais e acaba por nos fazer identificar com eles. 

Os personagens são muito carismáticos e é impossível não se sensibilizar com cada um deles e sua história. É sensacional que a autora nos mostra eles, com todos os problemas do mundo, e que mesmo assim não agiram pelo lado "fácil", não se renderam a bebidas, drogas ou crime, mesmo na situação difícil em que viviam. Todos enfrentam de frente e criam uma válvula de escape diferente, que no caso da Lucy, do Ed e do Leo, é a arte. 

Outra coisa incrível é a construção dos personagens ao longo da história. O modo como eles crescem e se tornam outros no fim de apenas uma noite é sensacional. Lucy, por exemplo, aprende a enxergar o que realmente importa e que, muitas vezes, o que nós queremos está bem ao alcance das nossas mãos, basta abrir os olhos. Ela se torna muito diferente da garota meio irritante, que vivia por uma ilusão que era no começo do livro.

Além disso, há a questão da arte propriamente dita ao longo do livro. Achei fascinante o modo como a autora nos imersa nos diferentes tipos de arte e em como ela pode dizer muito sobre uma pessoa. Sou uma leiga nessas questões, mas acredito que a autora foi muito bem sucedida ao nos mostrar com os olhos dos personagens todas as emoções que as obras de arte transmitiam, como os sentimentos e pensamentos deles estavam interligados através dela. 

De maneira geral, esse é um livro bem fofo! Com uma narrativa fluida, envolvente e muito gostosa de acompanhar, Cath nos leva por uma história simples, mas que é emocionante e que conquista com as reflexões e transformações dos personagens ao longo da história. É uma leitura bem leve e agradável que eu recomendo de olhos fechados!

Classificação




Beijos,