• Home
  • /
  • Sobre o blog
  • /
  • Colunas
  • /
  • Parceiros
  • /
  • Contato
  • Resenhas Novas

    Mar da Tranquilidade – Katja Millay


    "Nastya Kashnikov foi privada daquilo que mais amava e perdeu sua voz e a própria identidade. Agora, dois anos e meio depois, ela se muda para outra cidade, determinada a manter seu passado em segredo e a não deixar ninguém se aproximar. Mas seus planos vão por água abaixo quando encontra um garoto que parece tão antissocial quanto ela. É como se Josh Bennett tivesse um campo de força ao seu redor. Ninguém se aproxima dele, e isso faz com que Nastya fique intrigada, inexplicavelmente atraída por ele. (...)" – contracapa

    "Eleito um dos melhores livros de 2013 pelo School Library Journal, Mar da Tranquilidade é uma história rica e intensa, construída de forma magistral. Seus personagens parecem saltar do papel e, assim como na vida, ninguém é o que aparenta à primeira vista. Um livro bonito e poético sobre companheirismo, amizade e o milagre das segundas chances." – skoob





    Quando comecei a leitura de Mar da Tranquilidade, achei que seria só mais uma capa maravilhosa de um enredo mais ou menos. Digo isso porque a construção feita por Katja da protagonista Nastya Kashnikov era confusa, como se a cada página a autora tentasse criar uma Nastya diferente. Isso aos poucos foi me passando a sensação de inveracidade, tudo em Nastya gritava FALSO. Comecei a achar que essa característica era imaturidade da escrita de Katja, e que seria assim pelo livro inteiro.
    Ainda bem que não me deixei levar pelas (falsas) impressões iniciais.

    Imaturidade da Katja? Que nada, ela sabia muito bem o que estava fazendo. Enredando seus (suas) leitores (as), deixando pistas, escancarando fatos, apresentando mistérios.

    Quando Josh Bennet entrou em cena foi como se os pontos começassem a se encaixar. As conexões entre duas histórias poderiam deixar o enredo confuso, mas em nenhum momento isso acontece. As histórias de Nastya e Josh se cruzam, se interconectam, se passam, seguem caminhos diferentes.
    E em nenhum momento você se perde no meio delas.
     

    É claro que a garota de nome russo escondia muita coisa por baixo daquela imagem cuidadosamente montada, que ia muito mais além do que uma simples aversão social.
    A Nastya inicial gritava sem usar a voz. Inconscientemente ela gritava a plenos pulmões, mas usava o exterior para fazer isso, pois seu interior estava tão quebrado que as palavras pareciam não mais fazer sentido.

    Com o passar do tempo ela descobriu que existem pessoas capazes de dar voz ao seu silêncio, pessoas capazes de ouvir cada um dos seus gritos silenciosos, e ajudá-la a se abrir.

    Mar da Tranquilidade tem uma carga psicológica tão bem construída que poderia ser baseado em uma história real. E de certa forma foi, já que as dores dos personagens nada têm de irreais.

    A narração é feita a partir de visões alternadas de Nastya e Josh, o que é positivo para entender melhor a história, mas em função da diagramação que não coloca em destaque o nome do personagem que está narrando no momento, por vezes eu me perdi e precisei conferir os pronomes de tratamento para conferir a identidade de quem estava contando os fatos.
    Aí fica a dica para melhoria do projeto gráfico, enfatizar de maneira clara o (a) narrador (a).


    Ressalto que ter ambas as visões foi extremamente positivo para imaginar um contexto fiel da história, e não tecer julgamentos equivocados sobre os personagens. Fazia alguns meses que eu não lia metade de um livro em poucas horas, nem sentia a adrenalina aumentando a cada virada de página.

    O suspense-drama-romance de Katja é dotado de várias qualidades, entre elas o ritmo de desenvolvimento da história cuidadosamente pensado para crescer até chegar a um clímax sensacional, que justifica a necessidade da (aparente) lentidão inicial da narrativa.

    O envolvimento romântico dos personagens é intenso, doce, dramático, doloroso, real. São duas pessoas, unidas primeiramente pelo passado, e que tem a chance de escolher se no futuro essa ligação irá permanecer.

    Mar da Tranquilidade nada tem de tranquilo. É um enredo carregado de uma complexa atmosfera emocional, uma leitura perfeita para quem gosta de narrativas que prendem o fôlego, e ainda que densas, te deixem com uma sensação incrível de que a gente sempre pode ter esperanças de que o amanhã vai trazer o sossego que a alma precisa. Basta se permitir.

    Agora usa o espaço dos comentários e me conta: já leu essa história incrível? Se ainda não, fica a dica quentíssima de comprar assim que aparecer a oportunidade (e depois volta pra contar a tua opinião).

    Beijocas :*