Em O Acordo, primeiro livro da série Amores Improváveis publicado aqui no Brasil pela editora Paralela, conhecemos Hannah Wells e Garret Graham.

Hannah é uma garota estudiosa, bonita e engraçada que cursa música na universidade Briar e Garret é o popular capitão do time de hóquei no gelo, ambos têm aula de ética em sua grade curricular.

Quando o professor de ética morre, uma nova professora assume as aulas e muda a forma de avaliação dos alunos, fazendo com que quase toda a classe tire uma péssima nota e tenha que fazer uma segunda prova.      

Garret tirou zero e agora terá que se “virar nos 30” para passar na segunda chamada e assim, não ficar de fora dos próximos jogos do time de hóquei. Durante aquela cena típica de filmes românticos que passam na sessão da tarde, onde a garota tropeça no corredor da escola, derruba os cadernos e o garoto dos sonhos a ajuda a pegar suas coisas, Garret descobre que Hannah foi muito bem na prova e vê nela a oportunidade perfeita de recuperar a nota perdida.

O garoto faz de tudo para que ela dê aulas para ele, mas Hannah se mostra relutante. Porém, em uma festa, Garret descobre que ela está interessada em Justin Kohl, o jogador do time de futebol americano da universidade. Assim, ele convence Wells de que pode ajuda-la com Justin se ela o ajudar a passar em ética.

Os dois passam a ficar mais tempo juntos e acabam se conhecendo melhor. Entre os estudos e as festas um sentimento acaba florescendo entre eles.

"Às vezes, as pessoas entram na sua vida e, de repente, você não sabe como foi capaz de viver sem elas antes. E já não consegue entender como vivia a vida, saía com os amigos e dormia com outras pessoas sem ter essa pessoa importante na sua vida."

O Acordo me fez sair da zona de conforto, pois até então eu não tinha lido nenhum livro do gênero New Adult e posso adiantar que a experiência não foi nem um pouco ruim.

O livro não me cativou logo de cara, apesar de trazer uma premissa que me deixou muito intrigada e acabou me decepcionando com os diálogos bobos que tem logo nas primeiras páginas, mas, felizmente, eles foram melhorando ao longo do livro.

A narração é feita tanto por Garret, quanto por Hannah. A princípio eu fiquei preocupada, pois não é qualquer escritor que consegue manter essa linha sem acabar confundindo o leitor já basta o desastre que foi convergente da Veronica Roth. No fim, não tive problemas com a narração intercalada, na verdade isso acabou deixando a história ainda melhor.

Os personagens são bem construídos, durante a história nós descobrimos seus sonhos, seus problemas, seus passados e suas características, vemos eles crescendo individualmente e como um casal, isso acabou tornando-os reais. Hannah e Garret são muito divertidos e cheios de tiradas engraçadas. É cada cena hilária que esses dois fazem. Haha!

A autora trata de assuntos como estupro, relacionamento abusivo e maus tratos de uma forma muito satisfatória, sem deixar que o romance ofuscasse a discussão proposta ou que esses temas se tornassem dramáticos demais. Tudo foi muito bem equilibrado.

Esse livro foi um clichê maravilhoso, que me conquistou com uma escrita leve, com os personagens incríveis, com muito humor e com todas as discussões que a autora propôs. Apesar de alguns poucos pontos negativos eu amei a leitura e estou louca para dar continuidade a série.

"Essa é a melhor vingança Garret. Viver bem e ser feliz é o jeito de superar as merdas que ficaram no nosso passado."

Classificação:




Boa leitura e até a próxima!