• Home
  • /
  • Sobre o blog
  • /
  • Colunas
  • /
  • Parceiros
  • /
  • Anuncie
  • Resenhas Novas

    O fênomeno Pretty Little Liars


    Recentemente, depois de sete anos no ar, a série Pretty Little Liars teve seu fim no último mês, dia 27. E quem é fã e ainda não assistiu o desfecho das nossas queridinhas, não se preocupem porque a matéria não tem spoiler.

    Se você não conhece (o que acho muito difícil), a trama é baseada numa série literária do mesmo nome escrita por Sara Shepherd que estreou em 2006, e a adaptação sucessivamente em 2010. A história é sobre cinco amigas inseparáveis que, de repente, tem que lidar com o desaparecimento da líder do grupo. E então, um ano depois, o mistério continua, as dúvidas sobre o caso e sobre Alison (Sasha Pieterse) estar viva ou não intriga toda a cidade, e principalmente as outras quatro adolescentes que começam a receber mensagens e ameaças de alguém que se intitula como “-A”. Seja quem for essa pessoa, ela parece saber de todos os seus segredos, dos quais somente Alison sabia. Além disso, Aria (Lucy Hale), Spancer (Troian Bellisario), Hanna (Ashley Benson), e Emily (Shay Mitchell) têm seus próprios problemas pessoais que dão mais enredo para a série. Ela já teve até um spin-off chamado Ravenswood, que durou apenas uma temporada.


    Acredito que o que mais surpreendeu a todos foi exatamente o mistério. Aparentemente, a série só parece ser sobre o simples dia a dia de garotas no colegial, mas ao invés disso, somos recheados por suspenses, assassinatos, e grandes reviravoltas. Apesar de ser direcionada ao público feminino, muitos meninos também acabam gostando por causa desses detalhes. 

    Durante sete anos podemos nos surpreender e nos emocionar com cada episódio da série que nos enlouquecia para saber quem é –A. Cada personagem teve suas motivações e suas camadas, que nos fizeram pensar e duvidar muito de cada um deles, afinal, são mocinhos ou vilões? E quantos de nós já não xingou muito no Twitter a cada estreia por tantos plots twists que tivemos?

    Nesta última temporada, nossas meninas já passaram por altos e baixos, após anos, já têm suas carreiras e vidas formadas. Ainda sim, as surpresas continuam, e cada segundo é uma expectativa. A maioria dos fãs, assim como eu, gostou do desfecho da história. Mas, infelizmente, esperava mais e algo maior a respeito de A.D. Algumas coisas ficaram no ar, sem respostas ou explicações convincentes. Claro que isso não tira em nenhum momento o brilho que a série teve durante essa jornada, afinal, ela tem suas falhas como qualquer outra franquia.


    Fora isso, pude preparar meus lencinhos e coração para os rios de lágrimas desse último episódio, que rendeu tantas emoções. Para nós, fãs árduos de histórias longas como Friends e Glee, entre outras sagas de filmes ou séries, sentimos novamente a dor de perder algo que tanto amamos e vivemos. É como criar um filho que de repente vai embora e leva com eles nossa paixão em maratonar num sábado à noite. Exagero? Com certeza quem é fã de verdade sabe do que estou falando. O desespero invade nosso corpo, e o sentimento de tristeza é sempre maior do que imaginamos. Afinal, o que seremos de nós agora sem PLL? O que faremos sem nossos casais apaixonados, sem Hanna fazendo piadas sem sentido, Spencer se desesperando com suas notas e seus cunhados, ou Aria que tem um professor muito rígido com certas matérias e até mesmo Emily e suas namoradas? Sem falar de Alison que tinha que usar um babador pro seu veneno enquanto estava entre nossas meninas...

    Brincadeiras à parte, vamos sentir saudades. Muita saudade. E se você não assistiu ainda, prepare-se para perder sua sanidade. E se sim, comente aí embaixo o que achou e se acredita que vai ainda irá surgir algo tão bom do gênero quanto PLL, porque eu, sinceramente, duvido muito que isso aconteça.


    Texto por: Ingrid