• Home
  • /
  • Sobre o blog
  • /
  • Colunas
  • /
  • Parceiros
  • /
  • Anuncie
  • Resenhas Novas

    Mrs. Dalloway - Virginia Woolf


    Obra mais famosa de Virginia Woolf, Mrs. Dalloway narra um único dia da vida da famosa protagonista Clarissa Dalloway, que percorre as ruas de Londres dos anos 1920 cuidando dos preparativos para a festa que realizará no mesmo dia à noite. Pioneiro na exploração do inconsciente humano por meio do fluxo de consciência, Mrs. Dalloway se consagrou tanto pelo experimentalismo linguístico quanto pelo retrato preciso das transformações da Inglaterra do períodoentre guerras. Misto de romance psicológico com ensaio filosófico, este livro resiste a classificações simplistas e inaugura um gênero por si só. Precursor de algumas das maiores obras literárias do século XX, este romance é uma leitura incontornável que todo mundo deve fazer ao menos uma vez na vida. - SKOOB 


    Como assim eu demorei tantos anos para conhecer Virginia Woolf? Meu primeiro contato com a literatura dela foi “Mrs. Dalloway”, e descobri de cara a genialidade de sua escrita.



    É claro, não é um estilo que agrada a todos. É um ritmo lento, feito para ser lido aos poucos. Adoro histórias feitas para serem devoradas, mas ultimamente tenho achado muito bacana permanecer lendo o mesmo livro por meses.
    É como se aquela história fosse fazendo ninho na nossa alma literária, do tipo que a gente carrega pra sempre.



    Em Mrs. Dalloway acompanhamos um dia da vida de Clarissa Dalloway, assim como outras histórias paralelas, que ocorrem durante as preparações de Clarissa para uma festa em que ela será a anfitriã. Com prefácio de Alan Pauls, importante autor e professor argentino, temos uma ideia do que esperar de Virginia e de seu romance, que para a época foi um grande desafio aos "padrões" literários.

     

    O estilo utilizado no romance é o fluxo de consciência, e Virginia quebrou qualquer lógica a qual eu estava acostumada. Não há divisão de capítulos, não há linearidade, não há limites no uso de discursos diretos e indiretos, não há identificação clara de quem é o sujeito que está narrando. São nuances que você vai se acostumando durante a narrativa.

    Nas primeiras páginas estranhei bastante o estilo, porém a linguagem não é complexa e facilita muito o entendimento da leitura.

    Através dos personagens e suas ações, Virginia lança críticas nas entrelinhas a determinadas práticas, como os tratamentos da época destinados a quem possuía algum transtorno mental.

    Lendo a história sobre a vida de Virginia Woolf descobri que ela mesma sofria de transtornos, o que resultou no seu suicídio em 1941. Alguns episódios pelos quais ela passou estão presentes no enredo, vivenciados pelo personagem Septimus, que sofre de transtorno pós-traumático após lutar na 1ª guerra.

    O livro foi publicado pela primeira vez em 1925, após a Primeira Guerra Mundial. Contudo, os assuntos que permeiam a narrativa – homossexualismo, mulheres lutando contra amarras da sociedade, questões existenciais e crítica aos tratamentos psiquiátricos da época – seguem atuais, e o livro como um todo parece ter sido escrito ainda ontem. 



    É nessa Londres pós-guerra que acompanhamos a trajetória de personagens tão profundos e ao mesmo tempo, superficiais. Pois não somos nós um misto de ambas as coisas? O que chama a atenção é como Virginia consegue fazer com que essa densidade seja perfeitamente demonstrada em palavras, ainda que o contexto seja mera superficialidade – como os preparativos para o dia em que Clarissa Dalloway daria uma festa.

    A obra é considerada uma das obras primas de Virginia, e eu confesso que saio dessa leitura ávida por acompanhar outra de suas criações.

    Graficamente falando, a minha edição é bem simples, porém eu sou apaixonada pela capa (cadê edição em capa dura produção?). A revisão está impecável, e apesar das páginas terem uma gramatura aparentemente mais baixa, a leitura é super confortável.



    Que 2018 me traga todos os romances de Virginia Woolf que os anos anteriores não trouxeram!

    Classificação:



    Agora me conta: você já leu algo da Virginia? Se sim, deixa aqui nos comentários quais leu e se gostou ou não :D

    E você que nunca nem viu falar sobre ela: ficou curiosa(o)?

    Beijocas!