Julia Quinn é a minha pedida preferida quando quero uma leitura "calça jeans" sabe? Daquelas que dá pra qualquer hora do dia, que a gente já sabe que o que esperar e que é extremamente confortável. Não tem como negar que a série Os Bridgerton é a minha série de romance histórico favorito, e, por esse motivo as minhas expectativas pra essa nova série da autora estavam lá em cima. Confesso que não conseguiu bater a preferida, mas garanto que não me decepcionou em nada.

Neste primeiro volume do Quarteto Smythe-Smith, conhecemos Honoria, uma das felizes (ou não tanto) integrantes do quarteto de jovens solteiras da família, que tem como tradição anualmente fazer uma apresentação musical (nada agradável). Honoria é uma violinista, e como já é de característica das jovens da família, sem qualquer talento musical, mas que, por amor a família, felizmente participa das apresentações. Como é de se esperar de uma dama do Quarteto, Honoria está em busca de um marido, sem fazer ideia de que sua procura tem sido sabotada pelo melhor amigo de infância Marcus, e Daniel, seu irmão que o incumbiu dessa tarefa. Claro que Honoria nunca pensou em olhar para Marcus com outros olhos, mas, como  nós, bons amantes dos romances históricos podemos esperar, a história segue rumos que acabam fazendo com que Honoria finalmente olhe para o pretendente que tem logo na cara.


Hey gente! Tudo bem?

Vocês devem ter percebido pelo título da postagem que hoje vim falar de algo diferente aqui no blog: música. Eu não sei vocês, mas se tem uma coisa que eu não vivo sem, além de livros, é música. Não passo um dia sem ouvir música, e eu simplesmente precisava compartilhar com alguém (no caso vocês, meus ouvintes da web), minha paixão pelo novo álbum do Ed Sheeran. 

Primeiramente queria explicar que AMO esse cantor tipo desde sempre. Ele tem as músicas mais lindas e tristes e tocantes da vida. Ele consegue me tocar lá no fundo com as letras e melodias dele. Mesmo assim, confesso que é raro, e com todos os cantores/bandas que gosto, eu amar um CD inteirinho assim, sem deixar passar nenhuma música. Mas foi isso que aconteceu com Divide. Amei cada música, e não paro de ouvir desde que o álbum foi lançado! Por isso, vim dividir esse amor com vocês, e deixar aqui a playlist do álbum, pra vocês ouvirem por aí, fazendo o que quer que estejam fazendo no momento - garanto que essas músicas são trilha sonora pra qualquer coisa!


Hey gente!
Demorei, mas finalmente cheguei com o resultado do top comentarista especial!! Muito obrigada a todos por participarem, amei ler cada comentário de vocês! =D


Mas,vamos ao que interessa: foram seis participantes válidos, e alguns de vocês ganharam os pontos bônus dos comentários nos posts de janeiro. Vou explicar direitinho como fiz o sorteio, mas se ficar alguma dúvida, podem me procurar viu? Nos comentários, no facebook, tanto faz, eu vou responder!

Uma chance para recomeçar é um livro nacional, que aborda um tema bem delicado mas muito relevante e que manteve uma relação de amor e ódio comigo. A autora nos narra a história de Aurélio e Carina. O primeiro é um homem um tanto amargurado devido à sua deficiência visual e a todas as marcas que carrega no corpo devido a um acidente em seu passado. Ele se tornou complexado por conta de seu exterior e nutre uma auto-aversão e preconceito por si mesmo que o impede de ter uma vida plena e feliz.

Carina é uma mulher independente, uma mocinha rica mas que tem um bom trabalho e vive para ele, tanto que teve uma paralisia facial por conta o estresse, que é como acabou por conhecer Aurélio. Mesmo sendo uma mocinha forte nesse sentido, Carina é uma mulher com baixa auto-estima, que não se acha bonita e por esse fato não tem muitas experiências com homens. Tudo isso complica ainda mais a relação de autos e baixos que ela constrói com Aurélio nesse livro.